Quem matou JFK? As pistas desfilaram pela Moschino

No desfile da marca italiana, esta quarta-feira, passaram modelos com um aspecto alienígena e um estilo reminiscente de Jackie Kennedy.

Fotogaleria
Reuters/ALESSANDRO GAROFALO
Fotogaleria
Reuters/ALESSANDRO GAROFALO
Fotogaleria
Reuters/ALESSANDRO GAROFALO
Fotogaleria
Reuters/ALESSANDRO GAROFALO
Fotogaleria
Reuters/ALESSANDRO GAROFALO
Fotogaleria
Reuters/ALESSANDRO GAROFALO
Fotogaleria
Reuters/ALESSANDRO GAROFALO
Fotogaleria
Reuters/ALESSANDRO GAROFALO
Fotogaleria
Reuters/ALESSANDRO GAROFALO
Fotogaleria
Reuters/ALESSANDRO GAROFALO
Fotogaleria
Reuters/ALESSANDRO GAROFALO
Fotogaleria
Reuters/ALESSANDRO GAROFALO

Para quem tem interesse em teorias da conspiração, o assassinato de Jonh F. Kennedy dá pano para mangas. Só podemos presumir se Jeremy Scott – o imaginativo e irreverente director criativo da Moschino – é uma dessas pessoas, ao olharmos para a colecção Outono/Inverno que apresentou no primeiro dia da semana de moda de Milão. 

A interpretação – bastante literal – dos casacos, saias e chapéus ao estilo de Jackie Kennedy e as modelos pintadas de azul, verde e amarelo têm uma razão de ser. O ponto de partida da colecção, conta o criador à revista i-D, "foram as teorias da conspiração e quão prevalentes são no mundo em que vivemos hoje".

Scott continua: "Há uma teoria que diz que [Marilyn] Monroe foi assassinada pelo Governo porque sabia que existiam extraterrestres e ameaçou tornar públicas as provas e, por sua a vez, JFK tinha de ser morto também porque a fuga de informação inicial tinha vindo dele." A partir desta ideia, o criador começou a imaginar se a própria mulher do Presidente não seria um extraterrestre. "Quer dizer, como é que ela poderia ter sido tão estóica e perfeita? Como é que poderia ter lidado com tamanha tragédia e aguentado tudo se fosse humana?", questiona.

Enquanto processa toda esta informação, pode ver algumas fotografias do desfile, na fotogaleria em cima. Ou, então, veja 20 sugestões um look Jackie Kennedy.

Sugerir correcção