Cabeças, criaturas estranhas e dragões: é assim o mundo Gucci

Vestidos compridos, curtos e casacos largos são as sugestões Outono/Inverno 2018 da casa italiana.

Fotogaleria
Reuters/TONY GENTILE
Fotogaleria
Reuters/TONY GENTILE
Fotogaleria
Reuters/TONY GENTILE
Fotogaleria
LUSA/MATTEO BAZZI
Fotogaleria
Reuters/TONY GENTILE
Fotogaleria
LUSA/MATTEO BAZZI
Fotogaleria
LUSA/MATTEO BAZZI
Fotogaleria
Reuters/TONY GENTILE
Fotogaleria
LUSA/MATTEO BAZZI
Fotogaleria
LUSA/MATTEO BAZZI
Fotogaleria
Reuters/TONY GENTILE
Fotogaleria
Reuters/TONY GENTILE
Fotogaleria
LUSA/MATTEO BAZZI
Fotogaleria
Reuters/TONY GENTILE
Fotogaleria
Reuters/TONY GENTILE
Alessandro Michele
Fotogaleria
Alessandro Michele LUSA/MATTEO BAZZI

A semana da moda começou em Milão e o desfile da Gucci assinalou o dia de quarta-feira. Modelos que transportavam cabeças como se fossem malas, ou um dragão bebé ao colo, ou jovens com um terceiro olho na testa marcaram um desfile cujo cenário era um bloco operatório. Esta foi a inspiração de Alessandro Michele para criar a colecção do próximo Outono/Inverno.

O designer imaginou peças muito funcionais e vendáveis – como as suéteres com símbolos do beisebol norte-americano –, mas criou um ambiente frio e um universo quase de terror. Segundo o Financial Times, o sucesso comercial da Gucci está ligado com a recusa do director criativo de ser apenas um designer de roupa. "Eu mergulho na história da roupa. Adoro roupas, mas o meu desejo é criar algo mais poderoso do que a moda. Uma saia não é suficiente", declarou àquele jornal.