Rui Rio e as polémicas: “Vai haver mais histórias. Cá estou para elas”

Elina Fraga reitera que "está de consciência tranquila". Líder do PSD nomeou coordenadores para conversações com o PS e desvalorizou ausência de Hugo Soares da comissão política nacional.

Foto
Inácio Rosa / Lusa

O novo líder do PSD sugeriu nesta terça-feira que as polémicas em torno de dois dos seus vice-presidentes – Salvador Malheiro e Elina Fraga – não ficarão por aqui, deixando no ar que este tipo de situações já acontecia quando foi presidente da Câmara do Porto. “Estou habituado a isto”, afirmou aos jornalistas Rui Rio, à margem da primeira reunião da comissão política nacional do PSD, na sede do partido.

“Do ponto de vista político, isto começou com um outro vice-presidente, o engenheiro Salvador Malheiro. Passou essa questão, iniciámos agora a da dra. Elina Fraga, e vamos ver se vai ficar por aqui, eu acho que ainda vai haver mais histórias”, afirmou Rui Rio, depois de ser questionado sobre Elina Fraga, a ex-bastonária da Ordem dos Advogados que está a ser investigada no âmbito do exercício dessas funções.

O presidente dos sociais-democratas quis dar um tom de resistência, dizendo que até funciona melhor “em tensão”: “Eu cá estou para essas histórias”. “Normalmente começa assim e começa bem”, disse. Questionado sobre se sabe de onde vêm as polémicas, Rio disse que vêm de “vários sítios”, mas não especificou.

Salvador Malheiro, que foi seu director de campanha, está a ser alvo de um inquérito pelo Ministério Público na sequência da adjudicação de relvados sintéticos na Câmara de Ovar, a que preside.

Questionado sobre se mantém a confiança em Elina Fraga, Rio respondeu afirmativamente e até propôs um “contrato” à jornalista que lhe colocou a pergunta, sugerindo que os jornalistas fizessem “todas” as perguntas e as transmitissem. Mas o líder do PSD escusou-se a responder se já sabia da investigação quando convidou a advogada para vice-presidente do PSD. “Não é uma investigação, é ler a auditoria”, disse, insistindo para os jornalistas fazerem perguntas à ex-bastonária que responderia a “todas”. Elina Fraga, que falou depois de Rio, fez uma declaração inicial sobre o processo de que é alvo e acabou por responder apenas a três perguntas dos jornalistas. "Estou de consciência absolutamente tranquila", afirmou.

Relativamente à ausência do líder parlamentar cessante, que não foi convidado para a reunião da comissão política (onde tem lugar por inerência), Rui Rio justificou-a com o facto de Hugo Soares estar “demissionário” e “em gestão”, mas escusou-se a “alimentar” a polémica. Antes da reunião da comissão política nacional, Hugo Soares considerou que seria "um desrespeito institucional grave para com o grupo parlamentar", se não fosse convocado para a reunião.

Além dos dois coordenadores indicados para o diálogo com o PS – Álvaro Amaro e Castro Almeida - foram também nomeados os secretários-gerais adjuntos (que passam de três para apenas dois): Hugo Carneiro (mandatário financeiro de Rio na campanha interna) e o deputado Bruno Coimbra. Foi ainda constituída uma comissão, presidida pelo presidente da mesa do congresso, para num prazo de 90 dias conjugar as propostas de alteração aos estatutos do partido e levar uma proposta ao conselho nacional do PSD. O novo director do Povo Livre, o jornal oficial do PSD, é Cancela Moura em substituição de Miguel Santos.