Estoril e FC Porto vão tratar de assuntos pendentes

Estoril e FC Porto disputam a segunda parte da partida que foi interrompida a 15 de Janeiro por problemas na bancada norte do estádio.

Foto
O Estoril está na frente do marcador no jogo contra o FC Porto LUSA/OCTÁVIO PASSOS

Passadas mais de cinco semanas sobre a data original, eis que a segunda parte do Estoril-FC Porto vai finalmente ser disputada (nesta quarta-feira, às 18h, SP-TV1).

O que está em causa são mais do que assuntos pendentes para Estoril e FC Porto; são três pontos importantíssimos para os respectivos objectivos. A equipa de Ivo Vieira, que estava em vantagem no marcador quando foi decretado o adiamento do jogo (Eduardo Teixeira adiantou os estorilistas aos 17’, num livre directo superiormente convertido), vai tentar segurar um triunfo que permita afastar-se da zona de despromoção e ganhar conforto na tabela. Já os “dragões” vão procurar evitar a primeira derrota no campeonato, sabendo que uma vitória permite deixar os rivais Benfica e Sporting a cinco pontos na classificação.

A equipa de arbitragem vai ser a mesma, mas há uma condicionante às escolhas dos treinadores nos 45 minutos que vão disputar-se nesta quarta-feira: os regulamentos ditam que apenas os jogadores que estavam inscritos à data da interrupção do jogo podem ser utilizados, o que desde logo impede Ivo Vieira e Sérgio Conceição de utilizar os reforços de Inverno que chegaram depois de 15 de Janeiro (Dankler, Ailton, Gonçalo Santos e Ewandro Costa no caso do Estoril; Osorio, Paulinho, Waris e Gonçalo Paciência no caso do FC Porto).

“Os jogadores que estavam em campo no momento em que o jogo foi interrompido não podem ser incluídos na ficha técnica como suplentes”, pode ler-se no regulamento de competições da LPFP.

Assim, Sérgio Conceição terá de optar entre manter José Sá na baliza, como era o caso a 15 de Janeiro, ou relegar o guarda-redes português para a bancada, mantendo Casillas na baliza como aconteceu frente ao Rio Ave. Ricardo, Danilo e Aboubakar, todos titulares na data original da partida, encontram-se lesionados e estão indisponíveis para esta quarta-feira.

“As sanções impostas antes de o jogo ser interrompido continuam a valer para o restante tempo de jogo”, acrescenta o regulamento, onde se lê ainda: “Os jogadores suspensos na sequência de um jogo disputado após o jogo interrompido podem ser incluídos na ficha técnica. As equipas podem fazer apenas o número de substituições a que tinham direito quando o jogo foi interrompido.”

A partida entre Estoril e FC Porto de 15 de Janeiro foi interrompida ao intervalo devido a problemas na bancada norte do Estádio António Coimbra da Mota, onde se encontravam os adeptos visitantes. Na altura a estrutura não oferecia condições de segurança, e permaneceu encerrada até ao início deste mês, quando foi autorizada a reabertura pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), após as obras realizadas e face ao relatório favorável do Laboratório Nacional de Engenharia Civil.