Na ARCOmadrid o futuro será feminino e brasileiro (e depois peruano)

Este ano, a feira de arte contemporânea só tem curadoras. Sem um país convidado, mas com um "tema convidado", a edição que abre na próxima semana apresentará tantas galerias portuguesas como brasileiras.

Fotogaleria
A galerista Vera Cortês e o director Carlos Urroz durante a apresentação da feira ARCOmadrid RUI GAUDÊNCIO
Fotogaleria
Carlos Urroz, o embaixador espanhol Eduardo Gutiérrez e Vera Cortês RUI GAUDÊNCIO

Afinal, serão 15 as galerias portuguesas presentes na próxima ARCOmadrid, a feira de arte contemporânea que abre as suas portas para profissionais já na próxima quarta-feira, dia 21 (sexta-feira para o público não especializado), e que decorrerá até ao domingo seguinte. Não porque tenha havido uma entrada nacional de última hora, mas porque a Galeria Múrias Centeno, que até aqui tinha espaços em Lisboa e no Porto, se dividiu em duas, passando Nuno Centeno e Bruno Múrias a seguir caminhos separados a partir de agora. Portugal iguala, assim, o número de galerias brasileiras que participarão na feira, e que são mais duas do que no ano passado. Só a Alemanha e o país anfitrião, a Espanha, terão mais stands nesta ARCOmadrid do que Portugal e o Brasil.

“Um terço das representações internacionais vem da América Latina, destacando-se o Brasil”, disse esta quarta-feira em conferência de imprensa o embaixador de Espanha em Portugal, Eduardo Gutiérrez.

Ao todo, estarão em Madrid 208 galerias de 29 países, 160 das quais foram escolhidas para o programa geral pelo comité organizador. De Portugal, constam desse sector 11 galerias: as lisboetas 3+1, Baginski, Cristina Guerra, Filomena Soares, Caroline Pagès, Bruno Múrias e Vera Cortês; as portuenses Pedro Cera, Quadrado Azul e Nuno Centeno e Pedro Oliveira.

O embaixador espanhol lembrou que este ano a ARCOmadrid não tem um país convidado, como é habitual, mas “um conceito convidado” – o futuro. Mais especificamente, um tema-conceito que é uma longa frase: O futuro não é o que vai acontecer, mas sim o que vamos fazer. E “não é um futuro hiper-tecnológico”, nem cheio de futurismos, como explicou o director da feira, Carlos Urroz, no Palácio da Palhavã, onde fica a Embaixada de Espanha em Lisboa. “É mais uma ideia de sustentabilidade, o vernáculo frente ao global.”

Com curadoria de Chus Martínez, que já comissariou a Documenta de Kassel, um dos eventos mais importantes no calendário das artes plásticas, sublinhou Urroz, esta secção especial, como todas as outras da feira que têm curadoria, funciona por convites. E como Martínez, explicou Carlos Urroz ao PÚBLICO, fez questão de só ter mulheres a assisti-la – trabalha com Elise Lammer e Rosa Lléo –, este ano toda a equipa de curadoria da feira espanhola é feminina: “Não foi premeditado. Nós trabalhamos muito com curadoras mulheres, que há muitas na arte contemporânea. Pelo próprio ritmo de rotação de curadores nas outras secções, aconteceu.” Mas não deixa de ser um acaso significativo, acrescentou: “Como creio que o futuro vai ser feminino, a ARCOmadrid está na vanguarda."

Na secção Futuro, estarão 19 galerias, nenhuma portuguesa, embora se encontrem nomes de artistas nacionais como Pedro Neves Marques e Hugo Canoilas, cujo trabalho será exibido por galerias de outros países. A secção, adiantou Carlos Urroz, não estará dividida em stands individualizados, mas organizada como se tratasse de uma exposição, num trabalho “muito peculiar” do arquitecto espanhol Andrés Jaque: “Vai ser um ano surpreendente, estamos todos com muitas expectativas.”

Na secção Diálogos, continuam as curadoras María Corral, Lorena Martínez de Corral e Catalina Loranzo, tendo sido seleccionada a Galeria Graça Brandão, que cruza o trabalho de um nome histórico, Ana Vieira (1940-2016), com o de Nuno Sousa Vieira, nascido em 1971. Já a Opening, com curadoria de Stefanie Hessler e Ilaria Gianni, dedicada às galerias mais novas, conta com mais três portuguesas: Francisco Fino, Madragoa e Pedro Alfacinha.

Como “há um interesse do galerismo em instalar-se em Lisboa”, sublinhou Carlos Urroz, se contarmos com as galerias estrangeiras que passaram a ter um espaço comercial em Portugal ainda sobe o número de presenças lisboetas na ARCOmadrid; são os casos da Monitor (Roma) e da Maisterravalbuena (Madrid), além da Madragoa, que na prática é uma galeria italo-portuguesa.

Vera Cortês, a galerista portuguesa que faz parte do comité de selecção do programa geral, diz que estamos a atravessar um bom momento para o mercado das artes plásticas, um reflexo da recuperação económica, e também da influência da ARCOlisboa, a versão lisboeta da feira espanhola que em Maio terá a sua terceira edição. Sobre se mudou alguma coisa com a chegada de galerias internacionais, Vera Cortês, também presente na mesa da conferência de imprensa, explicou ao PÚBLICO que só pode ver o fenómeno com bons olhos: “Gosto muito das pessoas da Monitor, da Madragoa e da Maisterravalbuena. É sempre bom quando chegam galerias internacionais, como aconteceu noutras cidades, como Berlim. Há um óptimo ambiente entre as galerias e há coisas tão simples como [proporcionar-se a vinda de] um coleccionador italiano trazido pela Monitor, que se calhar não viria [a Lisboa] tão cedo. Depois de um jantar que a Monitor fez com a 3+1, foi à minha galeria e também lhe mostrei as outras galerias de Alvalade. Criam-se sinergias muito interessantes.”  

Para o ano, a ARCOmadrid voltará a ter um país convidado. Será anunciado para a semana, mas é já o segredo mais mal guardado do mundo das artes plásticas latino-americanas. Deverá ser o Peru, escreveu já o diário ABC, insinuando que no mundo global as nações também podem ser o futuro.