David Grossman vence prémio em Israel

O escritor, um activista contra a política do Estado de Israel face à Palestina, foi distinguido com o Israel Prize for Literature.

Foto
enric vives-rubio

O escritor David Grossman venceu esta segunda-feira o Israel Prize for Literature, um dos prémios de maior prestígio de Israel naquele que é visto como um sinal de abertura por parte do governo israelita. Grossman, várias vezes apontado como candidato ao Nobel e vencedor em 2017 do Man International Booker com o romance Um Cavalo Entra Num Bar (edição Dom Quixote) é conhecido pelas suas posições a favor do entendimento entre Israel e a Palestina para a partilha de um território marcado pelo conflito. Numa entrevista dada já este ano ao Ípsilon, Grossman mostrou-se pessimista face à resolução das divergências entre os dois estados e manifestou a sua perplexidade em relação à declaração de Donald Trump de reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

“Discordo politicamente do autor David Grossman”, referiu o ministro dos Educação de Israel, Naftali Bennett, um ultra-nacionalista que hoje anunciou o prémio, “mas ele não é um autor de esquerda nem eu sou um ministro da Educação da direita. Sou o ministro da Educação de todo o Estado de Israel”, concluiu, justificando a distinção com a excelência e profundidade e influência da obra de Grossman, um activista, sublinhe-se, contra a política de Israel em relação à Palestina e um opositor de qualquer espécie de intervenção militar de Israel no Irão por causa do programa nuclear

Além de Um Cavalo Entra Num Bar, David Grossman, de 64 anos, é autor de romances como Ver: Amor ou Fora do Tempo, livro de luto pela morte do filho, Uri, ocorrida em 2006, quando combatia como soldado israelita no sul do Líbano.

Ao noticiarem a atribuição do prémio, os media israelitas recordavam declarações como a que Grossman fez no jornal Haaretz, ligado à esquerda daquele país, considerando que o exército israelita praticava a “injustiça, a opressão e a morte de civis e crianças nos territórios ocupados” na guerra de 1967.  

O prémio será entregue a David Grossman em Abril, no aniversário da Independência de Israel.