Taxistas cancelam vigília após reuniões com o Presidente e a procuradora-geral

Profissionais do táxi com muita expectativa sobre os resultados das duas reuniões, mas a Antral avisa que os protestos podem regressar à rua nos próximos tempos.

Os taxistas podem voltar aos protestos de rua nos próximos tempos
Foto
Os taxistas podem voltar aos protestos de rua nos próximos tempos fau fabio augusto

Num momento em que se aproxima o desfecho do processo legislativo que poderá legalizar as plataformas de transporte de passageiros em veículos descaracterizados, como a Uber ou a Cabify, os protestos dos taxistas podem entrar numa nova fase. Por vontade da Antral, até já teriam começado, mas duas reuniões que decorreram esta sexta-feira, primeiro com a procuradora-geral da República e depois com o Presidente da República, podem ter travado os ímpetos mais combativos.

O primeiro sinal foi dado de manhã, quando a Federação Portuguesa do Táxi (FPT) e a Associação Nacional dos Transportes Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) cancelaram a vigília que tinham convocado para o dia 15 em frente à Procuradoria-Geral da República, depois de terem sido recebidos por Joana Marques Vidal. À tarde, dirigentes da Federação foram também recebidos pelo Presidente da República e saíram de lá com muita expectativa.

A reunião com a procuradora-geral da República serviu para abordar os processos judiciais relativos à ilegalidade da actividade das plataformas, assunto que os levaria ao protesto de dia 15, e que desta forma ficou esvaziado. “Foi uma reunião simpática. A senhora procuradora disse que vai pedir os processos que estão em investigação e que vai pedir celeridade nestes processos, embora não possa intervir directamente”, disse ao PÚBLICO o presidente da ANTRAL, Florêncio Almeida.

À tarde, Carlos Ramos encabeçou a delegação da FPT chamada ao Palácio de Belém em resposta a um pedido feito há meses, levando a Marcelo Rebelo de Sousa as suas razões contra a legalização das plataformas e 28 propostas para resolução do conflito. “Tanto a procuradora-geral da República como o senhor Presidente estão muito sensibilizados para a questão e estamos muitos esperançados naquilo que podem ser os resultados destas reuniões”, afirmou ao PÚBLICO o dirigente da Federação.

Agora, as duas associações vão reunir os seus órgãos sociais e conversar uma com a outra para decidir o passo seguinte. Mas as disposições são diferentes: a ANTRAL quer voltar à rua “já nos próximos dias”, enquanto a Federação entende que o melhor seria aguardar algum tempo.

“Tenho a certeza de que no início de Março vai sair do Parlamento um grande mamarracho legal, uma lei que não vai aplicar-se de maneira nenhuma e que a ANTRAL não vai permitir”, afirma Florêncio Almeida. “A nossa vontade é voltar à rua nos próximos dias e montar barracas à frente da Assembleia da República em protesto”, acrescentou.

Já Carlos Ramos entende que, neste momento, “o sector já conquistou uma vitória, porque o Governo recuou na intenção de legislar por decreto-lei, e há vários projectos diferentes na Assembleia da República”, disse, referindo-se aos projectos do PSD e do BE e às propostas de alteração do PCP à proposta de lei do Governo.

Quanto ao processo legislativo, que está parado na Assembleia da República à espera da nova direcção do PSD, Carlos Ramos entende que o atraso tem também outros motivos: “Estou convencido que quer o PS quer o PSD estão atrapalhados com a decisão do tribunal europeu no sentido de tratar as plataformas como empresas de transporte que são”.

Segundo uma decisão conhecida a 20 de Dezembro, o Tribunal de Justiça da União Europeia, em Bruxelas, considera que o serviço de intermediação Uber é parte integrante de um serviço global cujo elemento principal é um serviço de transporte e que, por isso, não corresponde à qualificação de “serviço da sociedade da informação”, mas sim a um “serviço no âmbito dos transportes”.

Em consequência, cabe aos Estados-membros “regularem as condições de prestação destes serviços sempre que se respeitem as normas gerais do Tratado de Funcionamento da União Europeia”, acrescenta o tribunal, chamado a pronunciar-se após uma denúncia dos taxistas da cidade espanhola de Barcelona por alegada concorrência desleal da Uber.

A proposta de lei do Governo para regulamentar a actividade de empresas como a Uber, Cabify, Taxify e Chofer, foi discutida na Assembleia da República em 17 de Março do ano passado, tendo o diploma baixado, sem votação, à comissão de Economia, Obras Públicas e Inovação para debate na especialidade.

Segundo a Lusa, o Ministério do Ambiente, que tutela a pasta dos transportes, espera que a lei que regulamenta as plataformas electrónicas de transporte em veículos descaracterizados seja votada no parlamento ainda este mês.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações