Sector têxtil bateu recorde de exportações em 2017

Valor registado dá continuidade ao crescimento consecutivo do sector nos últimos oito anos.

Sector registou maior valor de sempre nas exportações
Foto
Sector registou maior valor de sempre nas exportações Marco Duarte

As exportações de têxteis e vestuário atingiram os 5.237 milhões de euros, o valor mais alto de sempre, que representa um crescimento de 4% face a 2016, segundo dados divulgados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística. Para aquele crescimento contribuiram sobretudo os EUA que, embora não seja o maior importador daqueles produtos nacionais, foi quem registou o maior aumento relativamente a 2016 (20%).

Espanha continua a ser o principal destino das exportações portuguesas, mesmo após ter sofrido uma quebra de 0,6%. O país vizinho representa 36% do total das exportações têxteis portuguesas, totalizando 1.772 milhões de euros. A maior queda registou-se na Tunísia, com uma quebra de 22% das exportações em comparação com 2016.

Paulo Vaz, director-geral da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP), em declarações ao PÚBLICO, afirma que o recorde não constituiu uma surpresa, porque o valor  “tinha sido antecipado, praticamente, desde Junho”. “Estimamos que 2 a 3 mil empregos tenham sido criados no sector”, acrescentou, na sequência deste crescimento ímpar. Paulo Vaz mostra-se contente pelo “momento positivo” que o sector experiencia, mas garante que não existirá “complacência” para com o crescimento registado: “[O sector] tem de continuar a investir, a apresentar novos produtos e a ser agressivo comercialmente”. 

Este recorde é mais notável se tivermos em linha de conta que 2017 prenunciava algumas incertezas para o sector e para o comércio internacional, devido a uma conjuntura marcada quer pelas eleições na Alemanha e na França, quer pelas políticas proteccionistas da administração Trump e as mudanças que o Brexit está e vai implicar. 

Destes quadro países, foi o Reino Unido  — o quarto destino principal das exportações do sector, que totalizou 418 milhões de euros em 2017 — aquele que mais abrandou na importação destes produtos nacionais, cuja diminuição foi na ordem dos 1,7%. Nada que seja surpreendente para a ATP, uma vez que esta quebra já tinha sido "antecipada" devido aos indicadores registados no ano de 2016. Para Paulo Vaz, a descida tem uma causa plausível: [o Brexit] tem influência na taxa de juro, porque enfraquece a libra, "retirando poder de compra ao consumidor inglês”.