Hal Ashby: a barba e os cabelos que marcaram os anos 70

O realizador de Harold and Maude, The Last Detail ou Being There é o foco de Hal, um documentário da estreante Amy Scott.

Uma carreira marcada por problemas de drogas e querelas com os estúdios
Foto
Uma carreira marcada por problemas de drogas e querelas com os estúdios Robert Picard\INA via Getty Images

O realizador de Harold and Maude, The Last Detail ou Being There é o foco de Hal, um documentário da estreante Amy Scott. Tem depoimentos de colaboradores como Jane Fonda, Jon Voight, Beau e Jeff Bridges, Cat Stevens ou Norman Jewison e fãs notáveis como Alexander Payne, David O. Russell ou Lisa Cholodenko.

Hal Ashby só se estreou como realizador em 1970, com The Landlord. Já tinha mais de 40 anos e uma carreira como um exímio montador para trás. Foi nessa condição, aliás, que ganhou um Óscar, o seu único, em 1969 por No Calor da Noite, do seu amigo e mentor Norman Jewison. Depois disso, deixou crescer o cabelo e a barba, ambos brancos, e reflectiu o espírito da época como poucos. Nos nove anos que se seguiram, o pico da sua carreira, assinou seis outros filmes, alguns deles dos maiores e mais influentes clássicos do cinema norte-americano da década de 1970. Cada um deles estava imbuído do seu espírito humanista e uma preocupação com questões como classe ou raça.

É esse espírito e o legado do seu cinema que são analisados em Hal – outrora chamado Once I Was –, documentário da estreante Amy Scott – que, tal como Ashby, também fez carreira a montar filmes dos outros – que passou na edição deste ano do Sundance Film Festival, em Janeiro. Filme a filme, o documentário atravessa a carreira do realizador, um pouco como aconteceu com De Palma, o documentário de Noah Baumbach e Jake Paltrow com Brian de Palma a falar sobre cada uma das suas obras. Em Hal, isso é feito com recurso a gravações do próprio Ashby, que morreu de cancro aos 59 anos no final de 1988, após uma década conturbada, marcada por problemas de drogas, querelas com os estúdios e a autoridade em geral – a isso não ajudava ser um perfeccionista que, nos tempos de montagem, se refugiava meses a fio quase sem fazer mais nada –, e insucessos tanto do ponto de vista comercial quanto artístico. Além disso, Scott usa também novas entrevistas com colaboradores como Jane Fonda, Jon Voight, Beau e Jeff Bridges, Rosanna Arquette, Cat Stevens ou Norman Jewison, ou fãs. Estes incluem nomes que subiram à fama no movimento independente norte-americano dos anos 1990, como Alexander Payne, David O. Russell ou Lisa Cholodenko, bem como Judd Apatow – Wes Anderson, que muito lhe deve, não aparece.

Depois de The Landlord, com Beau Bridges, que durante muitos anos foi difícil de encontrar, Ashby prosseguiu com Harold and Maude (Ensina-me a Viver), em que contou a história de amor entre um adolescente suicida e uma septuagenária. Em The Last Detail (O Último Dever), pôs Jack Nicholson e Otis Young, dois oficiais da marinha, a divertirem-se com Randy Quaid antes de o levarem para a prisão. Já em Shampoo, com Warren Beatty, um cabeleireiro de Beverly Hills dorme com quase todas as suas clientes e Bound For Glory (Caminho da Glória), um biopic de Woody Guthrie com David Carradine. Coming Home (O Regresso dos Heróis), sobre o caso entre uma mulher cujo marido foi para o Vietname e outro veterano, valeu Óscares a Jane Fonda e Jon Voight, e Being There (Bem-Vindo Mr. Chance, uma tradução muito infeliz), em que Peter Sellers é um jardineiro com pouca capacidade mental que se torna conselheiro em Washington, deu um Óscar a Melvyn Douglas.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações