Refugiado do Mali encontrado a viver ao relento em praia de Aveiro

Cidadão de 28 anos terá chegado sozinho e de forma espontânea. A sua permanência em Portugal é conhecida do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

Foto
Reuters

Um refugiado de 28 anos esteve ao relento na praia da Torreira, na Murtosa, distrito de Aveiro, durante “alguns dias”, antes de ser encontrado na terça-feira pela GNR, alertada por pessoas que o viram ao longo desse tempo a viver sem condições.

O cidadão do Mali recebeu auxílio de elementos do Comando Territorial de Aveiro, através do Posto Territorial da Murtosa, e foi levado a um centro de acolhimento no Porto, “para o resguardar do frio e lhe dar conforto”, disse o capitão Vítor Ribeiro, comandante do destacamento territorial de Ovar.

O homem estava sozinho e não tinha qualquer documento de identificação, nem qualquer pertence, quando foi localizado durante a noite. “Tinha apenas a roupa que trazia no corpo e sobreviveu durante esse tempo com a ajuda das pessoas que por ali passavam e que nos alertaram para a situação por a acharem estranha”, acrescentou Vítor Ribeiro.

“Falou connosco em inglês”

“Tentámos perceber quem era. Falou connosco em inglês, disse-nos o nome e viemos a conferir que esse nome pertencia a uma lista de refugiados” do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

A GNR pouco mais sabe sobre as circunstâncias em que este cidadão chegou a Portugal e em que data. Apenas diz que terá vindo escondido dentro de uma embarcação de pesca depois de fugir do Mali, segundo terá relatado o próprio à GNR.

Este país francófono da África Ocidental tem atravessado nos últimos anos um clima de guerra provocado por grupos armados. A ONU destacou uma importante força de manutenção de paz, da qual fazem parte dezenas de militares portugueses. 

O PÚBLICO tentou saber junto do SEF há quanto tempo este refugiado encontrado pela GNR está em Portugal, uma vez que o seu nome consta de uma lista desta força. E se poderá candidatar-se ao estatuto de refugiado em Portugal. Em resposta, já ao fim da tarde, o SEF explicou que o cidadão em causa "tem um pedido de protecção internacional na Holanda".

"O Gabinete de Asilo e Refugiados do SEF já deu início ao procedimento legal de notificação do cidadão para que este, nos termos da Convenção de Dublin, regresse ao Estado Membro da União Europeia onde decorre o seu pedido de protecção internacional", acrescentou.

“Sabemos que ele foi notificado para comparecer no SEF de Aveiro, ontem, quarta-feira, e não compareceu”, diz o capitão Vítor Ribeiro, que acrescenta que ele estaria em situação ilegal. 

Também contactada, a direcção do centro de apoio social no Porto onde o cidadão maliano foi acolhido depois de aí ser conduzido pela GNR, não estava até ao início desta tarde em condições de esclarecer a situação.