Taxa de desemprego cai para 8,1% no trimestre

No total de 2017, a média da taxa de desemprego em Portugal cifrou-se em 8,9%, o que compara com os 11,1% de 2016

A criação de novos empregos nos últimos três meses de 2017 foi quase nula, mas a redução do número de desempregados em 22 mil colocou a taxa de desemprego no quarto trimestre nos 8,1%, prolongando a tendência positiva dos últimos anos.

O valor da taxa de desemprego ontem anunciado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) é inferior em 0,4 pontos percentuais ao do terceiro trimestre e fica bastante abaixo dos 10,5% registados no final de 2016.

Em termos anuais, a taxa média de 2017 cifrou-se em 8,9%, menos 2,2 pontos percentuais face a 2016, abaixo mesmo da mais recente previsão do Governo, que era de 9,2%. De acordo com o INE, existiam no quarto trimestre do ano passado menos 22 mil desempregados do que no trimestre anterior, ao passo que a população empregada estimada apenas registou um crescimento de 1900 pessoas. A população activa caiu em cerca de 20 mil pessoas. No entanto, quando a comparação se faz com o mesmo trimestre de 2016, é evidente a tendência que se tem registado de forte criação de novos empregos (mais 161 mil), com diminuição da população desempregada (menos 121 mil).

Os dados do emprego no quarto trimestre são geralmente bastante afectados por factores de ordem sazonal. É neste período que os chamados "empregos de Verão" deixam de contribuir para a redução do desemprego. Apesar de a taxa de desemprego ter continuado a cair, há sinais de que este efeito sazonal negativo se voltou a verificar.

No Algarve, a zona mais sensível a este tipo de efeitos sazonais, houve um aumento de 5,2% para 7,3%, mas abaixo dos 9,4% do quarto trimestre de 2016. A Grande Lisboa foi a região com melhor desempenho: a taxa de desemprego caiu de 9,4% no terceiro trimestre para 8,2% no quarto. E, num ano, caiu 3,2 pontos percentuais.