Mafioso italiano confessou roubo de pintura de Caravaggio

Natividade com S. Francisco e S. Lourenço furtado de uma capela de Palermo em 1969, poderá ter sido retalhado em pedaços para venda no mercado clandestino.

Foto
Imagem da tela original DR

Não se trata ainda da revelação do que verdadeiramente aconteceu a Natividade com S. Francisco e S. Lourenço, o quadro de Michelangelo Caravaggio (1571-1610) que foi furtado no dia 17 de Outubro de 1969 de uma capela de Palermo, e que integra a lista dos mais célebres roubos da história da arte. Mas é mais uma achega para a história misteriosa deste caso, que tem vindo a apaixonar os meios artísticos internacionais: um membro da Mafia disse à Justiça italiana que a obra não foi destruída, mas dividida em seis ou oito partes, tendo eventualmente entrado depois, assim retalhada, no mercado clandestino da arte.

A notícia foi lançada esta quarta-feira pelo jornal italiano La Repubblica, que divulga parte do relatório final da investigação levada a cabo por uma comissão parlamentar anti-Mafia, presidida por Rosy Bindi. O documento regista o testemunho do um mafioso arrependido, Gaetano Grado, que fez perante a comissão uma detalhada exposição sobre o caso.

Natividade com S. Francisco e S. Lourenço foi transferido, em 1970, por Gaetano Badalamenti, um grande chefe da Mafia, para fora de Itália, “provavelmente para a Suíça, mediante o pagamento de uma avultada quantia em francos”, disse Grado à comissão.

“Badalamenti disse-me que, provavelmente, a pintura terá sido retalhada para ser vendida no mercado clandestino”, acrescentou o ex-membro da Mafia. E acrescentou que o receptador terá sido um antiquário suíço – cuja fotografia Grado reconheceu no tribunal –, que se deslocou a Palermo propositadamente para o negócio.

Acontece, no entanto, que esse intermediário já morreu há vários anos. Mas a sua identificação é um detalhe que a polícia italiana considera de grande importância para a reconstituição não apenas do roubo como do que depois aconteceu a esta obra maior do mestre barroco do chiaroscuro.

O La Repubblica refere ainda que, segundo Gaetano Grado, o quadro de Caravaggio era exposto nas reuniões da cúpula da Mafia como forma de ostentação de prestígio e afirmação do poder da organização.

Natividade com S. Francisco e S. Lourenço, um quadro com as dimensões de 2,68x1,97 metros, foi pintado em 1609, praticamente no final da vida do pintor, e retrata o nascimento de Jesus num ambiente de pobreza, com S. Francisco de Assis e S. Lourenço acompanhando a Sagrada Família.

Alguns anos após o roubo, a moldura no oratório de S. Lourenço duma capela de Palermo foi preenchida com uma cópia realizada a partir de uma fotografia da obra tirada em 1968. Mas em Dezembro de 2015 esta cópia foi substituída por uma réplica trabalhada digitalmente por uma empresa de Madrid – e a cerimónia de “inauguração” contou mesmo com a presença do Presidente italiano, Sergio Mattarella.

Apesar do “milagre” desta duplicação, nada poderá substituir o original, cujo roubo foi desde o início atribuído à Cosa Nostra. Se as indicações agora registadas pela Justiça italiana irão ou não permitir descobrir mais sobre o efectivo paradeiro da pintura de Caravaggio, inteiro ou em pedaços, é algo que só o futuro dirá.