Alunos do Liceu Camões estão fartos de levar mantas para as aulas e exigem obras

"É só blá, blá. Obras já" foi o mote escolhido para a mobilização do corpo estudantil. Em causa estão as más condições que são obrigados a enfrentar durante o Inverno e o atraso no início das obras.

Cartazes afixados pelos alunos da Escola Secundária de Camões.
Fotogaleria
Cartazes afixados pelos alunos da Escola Secundária de Camões. Sebastião Almeida
Cartaz afixados pelos alunos.
Fotogaleria
Cartaz afixados pelos alunos. Sebastião Almeida

A manhã em Lisboa enregela, com os termómetros a rondar os 6 Cº, mas nem isso demove os alunos da Escola Secundária Camões de se manifestarem à porta e dali não arredaram pé. Em causa, estão as más condições do edifício, algo que já não é novidade, mas que continuam a dar que falar nesta comunidade escolar que desespera por uma promessa nunca cumprida.

O movimento criado pelos alunos assumiu o nome "É só blá, blá. Obras já" e reuniu dezenas de estudantes à porta do liceu às 8h da manhã, que afixaram cartazes à entrada com o intuito de chamar à atenção para todas as falhas estruturais com que convivem todos os dias.

“Desde 2011 que estamos à espera de obras que tem vindo a ser consecutivamente adiadas, algo que achamos inadmissível”, diz Simão Bento, de 16 anos. “Temos aqui toda uma comunidade educativa que vê a sua integridade física em risco por causa das condições da escola”, acrescenta.

Os estudantes queixam-se da existência de dezenas de mazelas em vários espaços, como é o caso do ginásio, que está “em muito más condições”, com o chão sem aderência e o tecto com vários buracos. As caves, devido ao seu estado de degradação extrema, ganham muita humidade na altura do Inverno e o mau estado das canalizações provoca inundações.

Relembram ainda a queda de um tecto de sala de aula na altura da tempestade Ana, num episódio em que ninguém se feriu mas que para o corpo estudantil "foi sinal que as obras já foram demasiado adiadas".

Simão dá ainda conta que dentro da escola se sentem como se estivessem ao ar livre, com o frio a cortar como se tivessem aulas em plena rua. “Ter aulas no Inverno é muito difícil. A escola é extremamente fria, existem várias janelas que não fecham e temos já o hábito de trazer mantas de casa e mantê-las no cacifo para nos aquecermos nas aulas.”

Também Catarina Pinheiro, de 18 anos, aponta a dificuldade de ter oficinas de artes em alturas de frio já que “as temperaturas baixas impossibilitam o trabalho com certos materiais". Por isso defende ser urgente a instalação de aparelhos de ar-condicionado nas salas para lidar com as temperaturas adversas.

André Silva, de 17 anos, explica ainda que esta não é a primeira manifestação que tenta mobilizar o corpo estudantil, tendo a última decorrido em Novembro e que já por mais que uma vez tentaram comunicar com o Governo em relação à situação. Sem sucesso:  “Já levámos as nossas preocupações ao Ministério da Educação, onde nos garantiram que as obras eram algo prioritário e a verdade é que mandaram pessoas com o intuito de averiguar o que devia ser feito. Mas não fizeram nada. Já passou um ano desde então.”

O estudante de Humanidades diz que os protestos não esmorecerão até que haja mudanças no Liceu de Camões, que merece ser requalificado por ser uma das instituições “com melhor qualidade de ensino onde já andou”.

Simão Bento espera que se venha a realizar em breve “uma reunião com o ministro da Educação”.

“O importante é deixar uma marca para que os alunos que a seguir venham possam ter condições para ter uma educação pública de qualidade para todos,” conclui ainda o estudante.

Contactado pelo PÚBLICO, João Jaime Pires, director da Escola Secundária de Camões, diz que "a importância da requalificação da escola é evidente" e que todos os alunos, professores e funcionários reclamam o início das obras.

Em Maio de 2017, foi anunciado em Diário da República o anúncio sobre a reabilitação da escola, com obras no valor de 314.550 euros e a cargo da Parque Escolar. Após a queda do telhado em Dezembro, o Bloco de Esquerda reforçou a “máxima urgência” de requalificação da escola de modo a evitar “acidentes graves”.

Texto editado por Ana Fernandes

Sugerir correcção