Kelly Lee Owens vai a Braga e Lisboa em Abril

A produtora e cantora galesa que vive no mundo da electrónica, onde cabem dream pop, tecno, sintetizadores, samples de água e resquícios do indie-rock, estreia-se em Portugal.

Foto
Kelly Lee Owens

A produtora e cantora galesa estreia-se em Portugal e actua no open day do gnration, o espaço multidisciplinar de Braga dedicado às artes que celebra cinco anos de existência a 28 de Abril. Além de Owens, há actuações de Powell, Surma, Ermo, Lavoisier, DJ Fitz, Osso e Sinø, bem como instalações de AGF, Nicolas Bernier e Elas Duas e workshops. A entrada é livre. No dia antes, actua na Galeria Zé dos Bois, em Lisboa.

O gnration, o espaço multidisciplinar de Braga dedicado às artes e à cultura, abriu em Abril de 2013. Para comemorar os cincos anos desde que começou a trazer nomes importantes de vários quadrantes da música, das artes plásticas e outras disciplinas, faz o seu open day a 28 desse mês, um dia de concertos, performances, instalações e workshops de entrada livre, que dura das 10 às quatro da manhã.

Entre os motivos de interesse inclui-se uma actuação de Kelly Lee Owens, a galesa que se estreou com um disco homónimo no ano passado (que ficou em 25º lugar nos melhores do ano para o Ípsilon) e vive no mundo da electrónica, onde cabem dream pop, tecno, sintetizadores, samples de água, resquícios do indie-rock que tocou em mais jovem e homenagens a Arthur Russell. Owens actua também no dia anterior em Lisboa, na Galeria Zé dos Bois.

Além dela, ainda no campo da música, e espalhados entre a black box e a praça do edifício, actuam Powell, o produtor seu compatriota que já lançou pela Mute, pela XL ou pela sua própria Diagonal e viaja do pós-punk ao tecno, sempre com vontade de surpreender, a leiriense Surma, que lançou Antwerpen no final do ano passado, o duo lisboeta Lavoisier, os bracarenses Ermo, cujo Lo-fi Moda ficou em 29º lugar dos melhores do ano passado para este suplemento. Ainda há espaço para Osso (não confundir com o duo experimental de Leiria da década passada), grupo que junta vários músicos de Braga numa base hip-hop que gravou um álbum apoiado pelo gnration, bem como o londrino DJ Fitz, nome que o agente de bandas John Fitzgerald usa como DJ, e Sinø, uma performance que junta a música passada por DJ Sininho às imagens de Ivo Teixeira.

No campo das instalações, que só dão para ver até à uma da manhã, a nanotecnologia está na base de Language Hack, da alemã Antye-Greie-Ripatti, que faz escultura sonora como AGF, na galeria INL. Na galeria gnration, o canadiano Nicolas Bernier, também artista sonoro, apresenta frequencies (light quanta), enquanto na entrada do edifício, o duo vimaranense Elas Duas, de Cláudia Oliveira e Isabel Bourbon, terá exposto o baloiço músical Baloica