Até por vídeo Paulo Rangel apela à recusa das listas transnacionais

Eurodeputado lançou vídeo nas redes sociais. O relatório de Silva Pereira e as emendas que propõem as listas pan-europeias são votados hoje em plenário, em Estrasburgo.

Foto
Nelson Garrido

Depois de uma primeira votação na Comissão dos Assuntos Constitucionais, que permitiu que ao relatório dos eurodeputados Pedro Silva Pereira e Danuta Hübner sobre a recomposição do Parlamento Europeu no pós-"Brexit" fossem acrescentadas emendas que defendem a criação de listas transnacionais para ocupar lugares vazios, a questão chega esta quarta-feira ao plenário em Estrasburgo, esperando-se uma votação dividida.

O relatório prevê que 27 dos 73 lugares deixados vagos pela saída do Reino Unido sejam redistribuídos por 14 Estados-membros para reforçar o princípio da proporcionalidade degressiva e que os restantes sejam deixados vagos para futuros alargamentos ou para a criação de listas transnacionais. Com a redefinição, nenhum país perderia deputados e Portugal mantinha os actuais 21.

O eurodeputado Paulo Rangel, opositor da criação destas listas pan-europeias, desdobrou-se em argumentos há duas semanas na comissão mas não conseguiu convencer a maior parte dos outros parlamentares que acabaram por conseguir aprovar as suas emendas. Agora, o social-democrata até recorreu às redes sociais e gravou um vídeo em que apela ao voto contra as listas.

A par do vídeo, Paulo Rangel elaborou uma lista de dez razões para argumentar “porque é que as listas transnacionais são, de todo, uma má solução para a Europa” que enviou também a todos os grupos parlamentares representados no Parlamento. “Aqueles que apoiam esta ideia [das listas] não estão conscientes dos riscos que decerto trarão”, avisa.

Rangel acena com o fantasma dos populismos, alertando que as listas poderiam ser usadas por movimentos populistas para ganharem visibilidade e capitalizar as visões extremistas desagregadas que vão existindo pela Europa. “Ao conseguirem agregar o voto de protesto um pouco por toda a Europa, os populistas poderiam acabar a escolher o candidato a presidente da Comissão Europeia da próxima legislatura”, realça o eurodeputado.

A criação das listas, com candidatos de outros países e normalmente dos maiores, acabaria por dar mais lugares aos países maiores – não promovendo a democracia e a representação proporcional e equitativa, antes cavando a diferença face aos países mais pequenos - e iriam representar um afastamento entre os eurodeputados e o eleitorado, levando a uma União “mais distante e centralizada”, em vez de mais democrática. Seria ainda feita uma diferença entre os próprios eurodeputados, tendo uns o estatuto de serem eleitos por listas do seu país e outros por listas de abrangência europeia.

Paulo Rangel recorre ainda a argumentos jurídicos, alegando que neste momento não há “base legal” para a criação de listas transnacionais, que não estão consignadas nem nos tratados nem na lei eleitoral para o Parlamento Europeu.

Se o documento e as emendas forem aprovados em plenário, passam a ser uma proposta de decisão do Parlamento Europeu ao Conselho Europeu, que terá que a aprovar por unanimidade.