Serão os alunos estrangeiros a nova galinha de ovos de ouro do alojamento?

Primeira residência de luxo para estudantes chegou a Lisboa: tem sala de cinema, piscina e ginásio. Mercado para universitários vai crescer como aconteceu com o alojamento local, prevêem agentes. Faltam 15 mil camas neste sector, calcula um estudo. Críticos temem que nova frente de imobiliário exclua mercado nacional.

Fotogaleria
Um jardim suspenso do tecto decora o enorme salão com sofás de design moderno Miguel Manso
Fotogaleria
Há uma sala de cinema com cadeirões tipo sofá e um ecrã gigante onde serão projectados os filmes Miguel Manso
Fotogaleria
Na sala de jogos há a possibilidade de jogar snooker Miguel Manso
Fotogaleria
Dentro do edifício há uma piscina e ginásio Miguel Manso
Fotogaleria
A residencia tem 330 quartos, a maioria individuais, alguns tipo apartamento T0 com terraço Miguel Manso
Fotogaleria
Fernanda Bodziak, de Curitiba, está a tirar uma pós-graduação em Direitos Humanos em Coimbra, mas preferiu ficar a viver em Lisboa este semestre Miguel Manso

Na fachada do prédio um homem e uma mulher desenhados a cores beijam-se. Lá dentro, o hall recebe os visitantes com enormes sofás, um lustre de luz amarelada de baixa intensidade.

Descem-se as escadas e o jardim suspenso do tecto decora o enorme salão com sofás de design moderno. Dali consegue-se ver parte da piscina e o ginásio, meio escondido. Há uma sala de cinema com cadeirões tipo sofá e um ecrã gigante onde serão projectados os filmes.

Se não soubéssemos, diríamos que estamos num hotel, não numa residência de estudantes. É tudo novo, a estrear. Aberta a 6 de Janeiro, com 330 quartos, a maioria individuais, alguns tipo apartamento T0 com terraço, a residência Collegiate Marquês de Pombal é a primeira de luxo a entrar em Portugal. Fica no antigo edifício dos CTT, no Conde Redondo, recuperado pela Temprano, empresa com base em Espanha que se associa à britânica Collegiate. O consórcio irá ter mais uma residência em Lisboa, outras no Porto e Coimbra, e estudam a hipótese de Braga.

Por estes dias os estudantes começam a chegar. Os brasileiros já perfazem a nacionalidade mais representada. Fernanda Bodziak, de Curitiba, está a tirar uma pós-graduação em Direitos Humanos em Coimbra, mas preferiu ficar a viver em Lisboa este semestre.

Aos 24 anos, diz que um brasileiro ter no currículo a frequência na Universidade de Coimbra é prestigiante, garante vantagem na procura de emprego. A sua pós-graduação é dada em inglês, o que “é muito valorizado” também. Passou o primeiro semestre na Universidade do Algarve, em Faro. Estudar em Portugal tem sido “um investimento fundamental”. “O quanto cresci, aprendi, conheci pessoas”, sublinha. Gasta em média 1500 euros por mês, com ajuda da família. “O alojamento é muito importante. A comodidade faz toda a diferença”, refere.

Comparando com outras residências, os colombianos Alejandro e Gregorio, ambos 21 anos, apoiados pelos pais, acham o preço desta acessível. São estudantes da Nova School of Business and Economics (Nova SBE), onde esperam fazer contactos e “aprender muito”. “O mundo é muito competitivo, por isso é necessário ir procurar experiência.”

O ano das residências de estudantes

A lacuna neste segmento do luxo era tão grande que Jonathan Holloway, responsável pelas residências universitárias na Temprano, confessa ter tido dificuldade em definir preços. “Foi um tiro no escuro.” Por enquanto fixou-os entre os cerca de 550 euros por pessoa (num quarto para dois) e os 1300 euros por mês (este com terraço).

A abertura da Collegiate representa o início de um 2018 que vai ser o ano das residências universitárias em Portugal, prevê Miguel Santo Amaro, co-fundador da Uniplaces, líder no alojamento para estudantes que tem crescido a um ritmo impressionante: mais 183% de arrendamentos no seu portal de 2015 para 2016.

Em Portugal faltam cerca de 15 mil camas para estudantes, concluiu um estudo desenvolvido pela consultora JLL para esta plataforma online que está para o mercado residencial universitário como o Airbnb para o alojamento local.  

À imagem do que aconteceu com os hostels e com o alojamento local, espera-se que este sector vá explodir nos próximos anos em Portugal. As previsões apontam para um investimento superior a 750 milhões de euros neste mercado em Portugal, diz Miguel Amaro.   

É a nova galinha de ovos de ouro? “É uma grande oportunidade que não tem recebido a atenção e investimento necessários. E 2018 e 2019 vão ser anos dessa descoberta”, responde.

Os números revelam-no, segundo a JLL, que mostra várias empresas que irão abrir centenas de camas. É que Portugal, diz Jonathan Holloway, é um bom investimento por causa das boas universidades, do aumento do número de estudantes estrangeiros, do bom clima, da boa comida e por ser “um dos países mais seguros do mundo”. “Isso torna-o muito atractivo para pessoas com dinheiro.” 

160 milhões de estudantes

O contexto do mercado global ajuda. Segundo a consultora Mckinsey, em 2020 o investimento internacional no ensino superior pode atingir os 1,4 mil milhões de euros.

Neste momento, faz notar Miguel Amaro, há 160 milhões de estudantes universitários no mundo, que geram um consumo de bens e serviços de 500 mil milhões de dólares (mais de 400 mil milhões de euros): um terço desta fatia vai para o alojamento. É “a primeira decisão” que os estudantes tomam depois de entrarem na faculdade: onde viver.

Depois, há todo um outro leque de serviços, como os seguros, “garantias financeiras, arranjar telefone, ginásio, ir comer ao restaurante”. “Estamos a falar de pessoas que ficam a viver nos bairros, trazem culturas diferentes, e isso torna o país muito mais atractivo. O nível de serviço e produtos que podem ser criados para este segmento são brutais.”

Neste ano, a Uniplaces – com 140 colaboradores, escritórios em Madrid, Barcelona, Milão, Roma, Berlim e Londres e 60 mil proprietários – vai gerar 100 milhões de euros em contratos para senhorios, diz. Será o dobro do que gerou em 2017. Não querem revelar quanto cobram aos senhorios, porque “varia”.  

Um mar de rosas, portanto? Nem tanto. As críticas à plataforma e ao negócio têm surgido. Há até um grupo no Facebook que se chama “anti-Uniplaces”. A empresa é acusada, por exemplo, de inflacionar e interferir nos preços do mercado. Miguel Amaro refuta: “Há muito poucas casas e a grande razão é o boom do alojamento local. Antes eram casas arrendadas a estudantes, mas hoje são para turistas. Quem determina o preço é o senhorio. Nós queremos mais quartos e mais qualidade.”

Os preços dos arrendamentos e vendas, sobretudo nas zonas turísticas de Lisboa e Porto, têm disparado. Nas áreas mais procuradas pelos estudantes também. Dados recentes da Uniplaces mostram a subida do preço médio dos quartos entre 2016 e 2017: em Lisboa, a zona que mais aumentou foi São Sebastião, passando para 416 euros, mais 61% do que no ano anterior; a segunda zona mais cara foi o Saldanha, com 394 euros por quarto e uma subida de 26%; no Porto, vários bairros desceram os preços (Campanhã, menos 3%, Rio Tinto, menos 2%, ou Paranhos, menos 7%) e outros aumentaram (Santo Ildefonso e Santa Marinha, mais 30 euros e 25 euros, respectivamente, sendo a média em ambos os casos de 277 euros por quarto).

Cinco milhões de euros para estudantes

Sobem os preços e o número de universitários também aumenta, muito por causa do fluxo internacional. Se em 2016/2017 houve mais 12% de estrangeiros no ensino superior em Portugal (ver caixa), no ano lectivo anterior tinha havido igualmente um crescimento em Lisboa – eram 17 mil na área metropolitana em 2015/2016, mais 11% do que no anterior. E as universidades apostam na internacionalização.  

PÚBLICO -
Aumentar

Cerca de 42% dos estudantes estrangeiros estão em Lisboa e 17% no Porto, diz o estudo da JLL. A nível local, partidos como o PCP e Bloco de Esquerda têm pedido contas à Câmara Municipal de Lisboa (CML). Ricardo Robles, vereador do BE com o pelouro da habitação, sublinha que o turismo, os vistos gold e outros factores interferiram com os preços do alojamento, o que se reflecte nos quartos para universitários. Fez pressão para que o actual executivo se comprometa a criar mais 400 camas para estudantes nos próximos quatro anos.

Também o PCP exige à CML maior intervenção para controlar os preços, porque “há um défice enorme” destas infra-estruturas na cidade, diz o vereador Carlos Moura. Estima serem necessárias entre 1500 a 2000 camas. “O mercado de arrendamento de quartos tem preços proibitivos”, afirma.

Por outro lado, a CML desenvolveu um programa virado para “atrair e reter” os estudantes e investigadores estrangeiros – Study in Lisbon – que até tem um espaço de acolhimento. A aposta justifica-se, porque se trata de um segmento “estratégico para o futuro da cidade, e a CML vai procurar reforçar e apoiar o desenvolvimento das universidades”, diz o vice-presidente da autarquia, Duarte Cordeiro. “Quando queremos ser um hub na área da inovação, conhecimento e criatividade temos de reter e captar talentos”, afirma. E os estudantes universitários “são o primeiro recurso.”

O alojamento é assim uma preocupação, mas a política da CML passa mais por apoiar as universidades e politécnicos no processo de criação de residências e menos na sua construção, refere.

A CML vai ter um fundo de cinco milhões de euros para apoiar projectos e programas do “mundo universitário”, executados com as instituições, mas cujo prazo de execução e cujo conteúdo não estão definidos.

Já na autarquia do Porto, outra das cidades que atraem grande parte dos estudantes estrangeiros, não há um programa específico de apoio ao alojamento – o que existe é um programa que junta jovens e seniores e uma plataforma que ajuda na procura de casa.

O tema tem estado na agenda da política local, mas também de colectivos. A Habita, associação que faz campanha contra os despejos e a especulação imobiliária, comenta que esta parece ser “mais uma frente do negócio imobiliário” que “pretende colocar muitas casas para estudantes no mercado, mas a preços que não são” o que os portugueses podem pagar, diz Rita Silva.

O crescimento deste sector implica “subtrair mais casas do mercado de arrendamento, tornar a habitação mais inacessível”, conclui. E chama a atenção: noutras cidades como Londres tem havido movimentos de estudantes cujo foco é justamente fazerem “greves de renda”, por causa dos preços.