Grande Porto no centro da expansão futura da Mercadona no país

Retalhista alimentar espanhola, que arrancou com a contratação de mais 80 empregados em Portugal, confirmou hoje abertura de uma unidade nas antigas instalações do Sport Clube de Canidelo, em Vila Nova de Gaia

Foto
Escritórios da Mercadona, sob a sociedade portuguesa Irmãdona Supermercados, localizam-se em Ramalde, no Porto

A cadeia espanhola Mercadona, que em Junho de 2016 anunciou a sua internacionalização para Portugal, arrancou recentemente com a segunda fase de contratação de pessoal.

Com 200 postos de trabalho previstos para as quatro lojas programadas para o território português, todas com abertura em 2019, a retalhista alimentar espanhola abriu agora vagas para “operadores de supermercado para todas as secções”, desde a frutaria às caixas, passando pelo serviço ao domicílio e manutenção, segundo o comunicado emitido a 23 de Janeiro.

Ao PÚBLICO, fonte oficial da Mercadona adiantou que “nesta fase inicial” a empresa está a contratar “20 pessoas por loja, sendo que o número de vagas pode variar de acordo com as necessidades existentes”.

Sendo quatro as lojas previstas, os 80 postos de trabalho agora abertos deverão completar a criação de emprego da espanhola no país, a um ano de abrir lojas em Portugal.

“A Mercadona conta já com uma equipa de 120 portugueses”, adianta fonte oficial da empresa, em declarações escritas, “em postos de direcção média, na operação” no país. “Quando lançámos as primeiras ofertas de emprego em 2016”, recorda, “pouco tempo depois já tínhamos cerca de 5000 candidaturas”.

“Cada coisa a seu tempo”

Esta sexta-feira, 2 de Fevereiro, a Mercadona comunicou que, fruto da colaboração com a Câmara Municipal de Gaia e com a Junta de Freguesia de Canidelo, o Sport Clube de Canidelo passou a ter instalações novas, “um campo principal e um campo de treinos”, triplicando a capacidade para a assistência, para 800 espectadores.

A colaboração – cujo investimento não foi quantificado - é fruto da decisão da Mercadona em construir o supermercados previsto para Vila Nova de Gaia “nas antigas instalações do Sport Clube de Canidelo” e da vontade em paralelo, afirma a empresa em comunicado, de “implementar a sua política de responsabilidade social empresarial em Portugal”.

O Clube fica com novas instalações, e a Mercadona constrói, nos terrenos onde se localizavam as antigas instalações da associação desportiva, um novo supermercado com “cerca de 1.800 metros quadrados” de área de venda.

Já sobre a expansão além das localizações já anunciadas – Vila Nova de Gaia (uma loja), Maia, Matosinhos e Gondomar – ao discrição do maior grupo espanhol de retalho alimentar irá manter-se. Inicialmente, o grupo tinha previsto abrir duas lojas em Gaia, mas esta terça-feira, 6 de Fevereiro, anunciou uma alteração no plano original.

"A empresa decidiu aproveitar a oportunidade de chegar a mais um concelho e respectiva população", adiantou a Mercadona em comunicado, acrescentando que a novo supermercado localizado num terreno com 13.000m2 na Maia (freguesia de Vermoim), terá "uma área de vendas de 1.800 m2", com parque de estacionamento com capacidade para 204 lugares.

Confrontada com a questão sobre a localização de futuras instalações, além das quatro já apontadas, para futuras lojas em Portugal, fonte oficial da Mercadona respondeu: “Gostávamos de chegar a outros pontos do país, claro. Idealmente faremos uma expansão progressiva, avançando por locais próximos do Grande Porto, também por uma questão logística”.

Recorde-se que à Lusa, fonte da empresa espanhola confirmou em Setembro passado que irá montar o seu centro logístico numa das freguesias da Póvoa de Varzim.

Por definir fica o que a Mercadona entende por proximidade à área do Grande Porto – sabendo o PÚBLICO que a companhia mantém em aberto negociações de terrenos em áreas a Norte da área metropolitana portuense, nomeadamente em Viana do Castelo.

Mas a resposta da Mercadona não revela futuras localizações, nem a Norte, nem a Sul do país: “Cada coisa a seu tempo. Ainda temos de concluir a primeira fase e abrir as primeiras quatro lojas” – “o objectivo que estabelecemos para 2019”, diz. 

Sobre as localizações já anunciadas e as datas de inauguração dos quatro supermercados previstos, também não há informação nova: “”tudo depende da rapidez dos processos quanto aos prazos de licenciamento e de construção”, explica fonte oficial do grupo de distribuição. E remata: ”Ainda não estamos em condições de avançar com uma data concreta, assim como a informação de qual será a primeira”.

Actualizado a 6 de Fevereiro, com comunicação sobre nova unidade na Maia.