Os Metallica são os Xutos & Pontapés do metal e provaram-no em homenagem a Zé Pedro

Em jeito de dedicatória, os norte-americanos tocaram A minha casinha, tema que a banda rock portuguesa ajudou a tornar popular. Na 11.ª actuação em solo nacional, após 25 anos desde a primeira passagem, houve casa cheia, LEDs e um enxame de drones.

Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

Já o concerto vai a meio e o guitarrista e frontman dos Metallica, James Hetfield, passa a palavra a Kirk Hammet e a Robert Trujillo (guitarrista e baixista). Diz ao público que os dois têm algo para partilhar. Andam a ouvir “música local”, vai desvendando, logo após terem acabado de tocar o épico de oito minutos Halo on fire, do último álbum Hardwired... to Self-Destruct, editado em 2016 e motivo para a 11.ª passagem dos norte-americanos por Portugal desde que visitaram pela primeira vez Lisboa há 25 anos. Desta vez, nesta quinta-feira, estiveram no Altice Arena, onde já tinham tocado também para uma sala esgotada.

Trujillo toma a iniciativa e aproxima-se de um dos microfones colocados em torno do palco 360 graus montado no centro do pavilhão. “Esta é dedicada ao Zé Pedro”, atira, pouco antes de se ouvir a entrada do tema A minha casinha, popularizado pela actriz Milú e imortalizado pelos Xutos & Pontapés. A homenagem agradou ao público que tratou da linha de voz, sobrepondo-a à base de baixo e guitarra. O músico de origem hispânica também arriscou e esboçou alguns versos do clássico da música popular (e rock) nacional. Não se deu mal com o português. É uma homenagem feita pela maior banda de heavy metal do mundo ao músico que morreu no ano passado, fundador da maior banda rock nacional de sempre.

E há um paralelo entre estas duas bandas. Arriscamos dizer que os Metallica estão para o heavy metal mundial como os Xutos estão para o rock nacional. Há muito que as duas bandas furaram o rótulo que lhes foi carimbado e abriram caminho que desemboca em destinos distantes das suas origens.

Para que se perceba, falemos do público que segue o grupo. Os Metallica nasceram thrash metal, foram-se afastando do subgénero, mas nunca deixaram de ser metal. Perderam fãs e ganharam outros, mais do que os que ficaram pelo caminho – confirmam os 53 milhões de euros de receita que conseguiram no ano passado com a primeira parte desta WorldWired Tour.

E são fãs que, mais do que serem adeptos de um género, prestam devoção, acima de tudo, aos Metallica, independentemente das categorias de música que fazem parte do resto da discografia pessoal de cada um. Se quando iniciaram carreira em 1981 eram uma banda obrigatória para qualquer adepto de sonoridades mais pesadas, hoje são uma banda de entrada para o género, mas que também agrada a quem não tem qualquer afinidade com o heavy metal. Digamos que, na linha deste raciocínio, Metallica, actualmente, é uma banda pop (não em termos sonoros, mas em termos de abrangência) que toca heavy metal. E foi ao “som sagrado” que recorreram para se apresentarem à plateia de pelo menos três gerações que esgotou o pavilhão.

Lisboa é a primeira data da segunda parte da digressão mundial de promoção ao último álbum. Ou estariam frescos ou enferrujados. Já lá vamos.

Uma viagem pela carreira

Não há como não elevar as expectativas quando se ouve o habitual intro, The ecstasy of gold, composto por Ennio Morricone. Fica no ar a ideia de que algo de grandioso está para acontecer. Há álbum novo que nunca foi apresentado por cá e uma plateia à espera há um pouco mais de tempo do que a hora marcada para o início do concerto indicava. Durante esses 20 minutos, não deixa de ser irónico que uma das músicas de fundo que passa nos altifalantes é da banda de um ex-Metallica, despedido pelos outros elementos. Precisamente às 21h30, hora a que devia ter começado o espectáculo, toca Symphony of destruction, dos Megadeth, colectivo fundado por Dave Mustaine após saída atribulada do grupo da Bay Area. Talvez seja uma reconciliação com o passado.

O concerto arrancou com música do novo álbum, que no global é uma espécie de apanhado geral de todo o percurso da banda. Com rufo de tarola marcado, explode num riff serrado e galopante, Hardwired, a representar o lado mais thrash do disco, para abrir uma sequência de um par de músicas do novo álbum até a primeira investida pelos clássicos. Seek and destroy, do álbum de estreia, Kill 'Em All, de 1983, foi o primeiro.

Ao fim de quase quatro décadas de actividade, todos os concertos de Metallica acabam por ser antológicos, mas há algo nesta digressão que lhes confere outra dimensão. A começar pelo espectáculo de palco. Não é a primeira vez que os Metallica tocam num palco 360 graus. De resto, já o tinham feito precisamente no mesmo espaço, na World Magnetic Tour, em 2010. Mas o que realmente se destaca é o trabalho de cenografia ali montado. Suspensos no tecto há meia centena de cubos LED. Nestes monitores, que ora sobem ora descem, são exibidos vídeos. Essas imagens acabam por acompanhar a ideia de viagem pelas várias fases do grupo.

Há referências à capa de Master of Puppets, quando tocam o tema-título, ou ao Black Album, quando tocam Sad but true. Noutros momentos a iconografia associada às composições dos Metallica vai surgindo como materialização do próprio som. Regressa-se ao passado quando aparecem fotos antigas dos membros da banda. Não se confirmando a tese da reconciliação não vimos sinais de imagens de Dave Mustaine ou de Jason Newsted, baixista que Trujillo substituiu em 2003.

Um enxame de drones

Quando o actual responsável por parte da secção rítmica toca a linha de baixo com distorção de (Anesthesia) Pulling teeth, recorda-se um dos ícones da banda com imagens que vão passando nos ecrãs. Falamos de Cliff Burton, autor da composição, que morreu prematuramente aos 24 anos, em 1986, na sequência de um acidente na camioneta que conduzia a banda em digressão. Momento alto do espectáculo cénico ocorre quando em Moth into flame, do último disco, surgem no palco cerca de uma centena de drones iluminados, espalhando-se como uma espécie de enxame que paira sobre os quatro elementos. Remete esta música para “a pior droga” que já experimentou, diz Hetfield – “a fama”.

Como é habitual, Hetfield entra em constante diálogo com o público de forma amistosa e com promessas de amor. Haverá motivos para desconfiar? A verdade é que o único truque a que os Metallica precisam recorrer para conquistar o público é simplesmente aparecerem.

Novo álbum e um desfile de clássicos

Da setlist é impossível não fazerem parte temas dos cinco álbuns clássicos: Kill 'Em All (1983), Ride the Lightning (1984), Master of Puppets (1986), ...And Justice for All (1988) ou Metallica (1991), conhecido como Black Album. São estes temas que, sobretudo, os fãs mais velhos querem ouvir. Tocaram Seek and destroy, Harvester of sorrow, Welcome home (sanitarium), For whom the bell tolls, Creeping death, Sad but true, One, Master of puppets, Nothing else matters, Enter sandman e ainda Am I evil?, dos Diamond Head, pioneiros da New Wave of British Heavy Metal e uma das influências iniciais dos Metallica. O resto do alinhamento foi do último álbum. De fora ficaram músicas dos discos Load (1996), Reload (1997), St. Anger (2003) e Death Magnetic (2008).

Em termos visuais o espectáculo que apresentam é suficientemente apelativo para que não se desvie o olhar do que está a acontecer em palco. Neste primeiro concerto da segunda parte da digressão mundial denotam estar mais à-vontade com o material novo. Apesar de o antigo ser o mais esperado por grande parte do público, é o mais recente que acaba por funcionar melhor em termos de execução.

Muito por culpa do baterista, Lars Ulrich, que foge do tempo como o diabo foge da cruz, por vezes falta coesão aos temas antigos. Não será esta uma novidade para o resto dos elementos, nem para o público que os segue mais atentamente. Não são poucas as vezes que acontece obrigar o resto da banda a acelerar ou a desacelerar por não aguentar um compasso sem tropeçar na própria bateria. Aqui pouco se pode culpar a ferrugem. Compensa com a atitude o que não apurou em termos técnicos. Sairia a banda prejudicada se o público que os segue não perdoasse as falhas ao vivo que vários takes em estúdio ajudam a resolver. Se em quase quatro décadas como baterista não evoluiu, não se espere milagres para os anos de carreira que a banda ainda tem pela frente.