A Ricon morreu, e com ela, muitas vidas de trabalho

O fecho do grupo de vestuário de Famalicão tornou-se esta quarta-feira uma realidade, depois de a assembleia de credores ter aprovado a insolvência. Cerca de 380 trabalhadores, alguns com um percurso tão longo quanto a própria empresa ficam sem emprego.

Foto
Ricon viveu ontem o último dia da sua existência, deixando centenas de trabalhadores sem emprego LUSA/JOSé COELHO

Mais de 44 anos depois de ter nascido nas margens do Ave, a Ricon morreu. O encerramento e a liquidação dos activos da Ricon Industrial S.A., - a principal unidade industrial do grupo com mais sete empresas que dela dependiam – foram decretados na quarta-feira pelo Tribunal do Comércio de Famalicão, em assembleia de credores, e colocaram um ponto final numa etapa das vidas de cerca de 380 trabalhadores.

Depois do pedido de declaração de insolvência apresentado pela empresa a 7 de Dezembro - o relatório da insolvência mostra que a dívida atinge os 39,3 milhões de euros -, a carta da administração a confirmar os despedimentos chegou às casas dos trabalhadores, na segunda-feira. A rotina habitual junto às máquinas e às peças de vestuário deu lugar às horas de vigília junto ao portão principal da maior fábrica, na vila de Ribeirão, com alguns rostos – de trabalhadoras, na maioria - a denunciarem trajectos profissionais mais curtos, outros mais longos e outros tão antigos como a própria fábrica.

Maria da Conceição Silva recorda-se bem do dia 3 de Setembro de 1973, quando a empresa, então um pequeno salão com escritório naquele mesmo local da vila de Ribeirão, abriu para lhe dar, aos 14 anos, o primeiro e único emprego que até hoje conheceu. “O nosso patrão, o senhor Américo Silva, entrou à frente. Nós então entrámos. Esteve-nos a explicar como era, porque era o primeiro emprego para mim e para algumas”, recorda. O seu primeiro salário, diz, foi de 7.500 escudos.

Operária nos acabamentos do vestuário, Maria da Conceição conta que a empresa tinha inicialmente um “ambiente muito bom” e, dirigida por um patrão – pai do último presidente do Conselho de Administração, Pedro Silva - , que lhes pagava um “ordenado superior ao salário mínimo” e “prémios com parte dos lucros”, entrou numa trajectória de crescimento que ditou a expansão da fábrica e o atraiu mais trabalhadores.

O grupo Ricon era conhecido pela ligação à Gant, cadeia de vestuário sueca, quer pela produção de roupa para a marca – no comunicado de despedimento, a administração revelou que mais de 70% da produção era para os nórdicos -, quer por ter a rede da Gant em Portugal, composta, segundo o relatório do administrador da insolvência, Pedro Pidwell, aprovado pelos credores, por cerca de 20 lojas e 200 trabalhadores, também agora despedidos.

Uma das mais jovens trabalhadoras em vigília, Diana Silva, entrou para a Ricon em Dezembro de 2014 para “marcar botões para blazers, sobretudos, casacos”. Nessa fase, as encomendas da Gant chegavam às duas, três mil peças de cada vez e ditavam horários de trabalho das “oito da manhã até às 10 da noite”, sem horas extraordinárias pagas – acumulavam no banco de horas.

A operária de 23 anos apercebeu-se de que “algo estava errado”, quando gente do departamento comercial e dos recursos humanos se despediu voluntariamente no início de 2017, e, no Verão, a qualidade da produção exigida diminuiu, passando a fazer-se “a feitio”. “Quando são empresas grandes a trabalhar a feitio, não dá para pagar assim ordenados. Começou-se a dizer que isto mais tarde ou mais cedo ia fechar”, explicou.

Também no Verão, o coordenador do Sindicato Têxtil do Minho e Trás os Montes, Francisco Vieira, diz ter recebido um telefonema de um “quadro do Estado” a perguntar sobre alegados problemas na Ricon. Na altura, refere ao PÚBLICO, estranhou-o, até porque o grupo estava num “clima de paz social”, mas depois viu as suspeitas confirmarem-se com o pedido de declaração de insolvência do grupo, em Dezembro.

Após a insolvência, o desemprego é a realidade que se segue para os trabalhadores que estavam a cargo do grupo, apesar da Câmara de Famalicão já ter preparado uma linha de apoio para aqueles que residam no concelho. Aos 59 anos, Maria da Conceição Silva vê-se pela primeira vez nessa situação que classifica de triste, ainda por cima acompanhada do marido, Joaquim, motorista do grupo há 27 anos. Grávida do primeiro filho, Diana Silva vai tentar de novo um emprego na área da contabilidade, após três anos de Ricon. “Vou procurar na minha área. O fundo de desemprego também deve chamar. Se não chamar, tenho de me fazer à vida. Agora, vem um filho e tenho de o trabalhar para o manter”, resumiu.

Ricon e Gant: um elo que se quebrou

Com a insolvência da Ricon, fechou-se um ciclo de cerca de 30 anos de negócios entre a empresa portuguesa e a cadeia de roupa sueca. Além de produzir roupa e deter as lojas Gant em Portugal, o grupo Ricon chegou a deter 10,5% das acções da empresa sueca, adquiridas por 38,5 milhões de euros em 2006, revelou o então administrador Pedro Silva, em entrevista ao Jornal T, em Abril de 2017. Aí, o empresário revela que, dois anos depois, decidiu vender tais acções após o lançamento de uma OPA Hostil à Gant pelo grupo suíço Maus Frères, detentor da Lacoste, tendo encaixado uma mais-valia de 20,8 milhões de euros. Depois de, com esse valor, ter investido em centros Porsche, num avião Embraer e em helicópteros de combate a incêndios, com a empresa Everjets, Pedro Silva teve um prejuízo de 14 milhões de euros, em 2014, com a entrada da Gant no Brasil.

O relatório do administrador da insolvência, Pedro Pidwell, salienta que a Gant era o “mais exclusivo cliente da insolvente” (Ricon Industrial S.A), tendo reduzido, a partir de 2016, “sem pré-aviso, o volume das suas encomendas” – quebra na ordem dos 80% face a “períodos homólogos anteriores”. Segundo o documento, a Gant declinou “qualquer hipótese de intervenção no processo de reestruturação”, levando a Ricon à “penúria”.