DR
Foto
DR

Viseu quer ver artistas e designers a usar o linho de Várzea de Calde

O tecido é o único produto têxtil "resistente a qualquer espécie de pragas". Objectivo da Câmara Municipal de Viseu é "reinventar e reinterpretar o produto"

A Câmara de Viseu vai convidar artistas e criadores para desenvolverem aplicações contemporâneas a partir do linho de Várzea de Calde, uma "comunidade única" no país que abrange todo o ciclo do linho. "O linho estava muito ligado aos usos quotidianos da casa, de elementos decorativos, até elementos práticos do quotidiano das comunidades rurais. Hoje, o desafio é estender e desenvolver novas aplicações do linho no quotidiano contemporâneo", disse o vereador da Cultura da Câmara de Viseu, Jorge Sobrado, que falava à agência Lusa a propósito da apresentação do selo oficial do linho de Várzea de Calde.

Sem qualquer pretensão de o transformar num produto industrial, há o desafio de o produto "se desenvolver em novas aplicações, seja da moda, seja das artes decorativas, num padrão de elevada qualidade que faça justiça à natureza distintiva do produto", explicou Jorge Sobrado.

Nesse sentido, serão convidados artistas e criadores para desenharem novos produtos a partir do linho da Várzea de Calde, entre os quais Cristina Rodrigues, artista plástica que assina o selo oficial deste linho, referiu. A artista plástica tem vindo a trabalhar com a autarquia no sentido de "valorizar o linho" daquela comunidade, acrescentou o vereador. De acordo com Jorge Sobrado, Várzea de Calde "é uma comunidade única no país", em que todo o ciclo do linho — da sementeira à tecelagem — "é preservado e praticado".

"Não existe mais nenhum local que desenvolva o ciclo integral do linho", o único produto têxtil que "é resistente a qualquer espécie de pragas", frisou. O desafio agora lançado de reinventar e reinterpretar o produto poderá permitir aumentar a capacidade de produção, que, neste momento, "ronda pouco mais de 100 metros por ano". "A produção acompanhará o ritmo e o interesse pelo produto", explicou, salientando que Viseu pretende internacionalizar o produto, sem deixar de preservar a sua identidade.

De momento, há cerca de 20 mulheres ligadas à Cooperativa do Linho e ao Grupo Etnográfico de Várzea de Calde, sendo que "cerca de metade são artesãs activas", afirmou.