Bitcoin voltou a descer abaixo dos dez mil dólares

Preço está a ser pressionado por regulação, suspeitas de manipulação de mercado e notícias de um roubo de grandes dimensões.

Uma bolsa japonesa foi alvo de um roubo que ultrapassou os 500 milhões de dólares
Foto
Uma bolsa japonesa foi alvo de um roubo que ultrapassou os 500 milhões de dólares LUSA/FRANCK ROBICHON

A bitcoin voltou nesta terça-feira a descer abaixo da barreira dos dez mil dólares em algumas bolsas, antes de voltar a recuperar rapidamente para valores ligeiramente acima daquela fasquia. Como habitual, a queda arrastou também as restantes criptomoedas.

A desvalorização aconteceu no mesmo dia em que entraram em vigor novas regras de transparência para as transacções na Coreia do Sul, um país onde esta tecnologia é popular. Também têm vindo a público preocupações sobre possíveis manipulações de mercado e práticas fraudulentas, e foi noticiado há poucos dias um roubo de grandes dimensões numa bolsa japonesa.

O preço da bitcoin está numa tendência negativa desde o início do mês, depois de ter atingido em Dezembro picos próximos dos 20 mil dólares. Para os investidores mais antigos, as descidas em Janeiro não são uma novidade e já em anos anteriores a bitcoin teve quedas significativas nesta altura do ano, voltando depois a recuperar e ultrapassar os preços anteriores.

Este ano, porém, a queda é mais significativa e, graças ao grande interesse gerado pela bitcoin ao longo de 2017, afecta mais pessoas. Em Janeiro de 2016, a bitcoin caiu cerca de 26% face ao pico do mês de Novembro anterior, para um preço em torno dos 358 dólares. Em Janeiro de 2017, atingiu os 1176 dólares antes de cair 35%, para 761 dólares. A queda actual está próxima dos 50% em relação à valorização de Dezembro.

Um dos factores a pressionar o preço pode ser a regulação na Coreia do Sul, em cujas bolsas a bitcoin atinge frequentemente preços mais elevados do que no resto do mundo. Naquele país, passou a ser obrigatória a identificação de quem compra e vende criptomoedas, através de uma conta bancária. O objectivo é combater o uso de criptomoedas para actividades ilegais e também reduzir a especulação neste mercado, indica um documento das autoridades coreanas.

Por outro lado, no final da semana passada, foi roubado o equivalente a 530 milhões de dólares (427 milhões de euros) numa criptomoeda chamada NEM, através de um ataque informático à bolsa Coincheck, com sede no Japão (o país onde, há uns anos, um roubo ao que era então a maior bolsa de bitcoins do mundo deixou muitos utilizadores sem os fundos que tinham investido). Nesta terça-feira, a agência Reuters avançou que os atacantes estavam a tentar movimentar os fundos roubados. A notícia veio dar mais visibilidade ao caso.

A confiança dos investidores estará também a ser afectada por uma preocupação crescente em relação a possíveis manipulações de mercado. Uma das causas é uma moeda chamada tether. A empresa homónima por trás desta moeda afirma ter um dólar em depósitos para cada tether emitido. A moeda é usada em muitas bolsas online como um substituto do dólar, para agilizar transacções com outras criptomoedas. Há, no entanto, suspeitas de que aqueles fundos em dólares não existam e de que tenham sido criadas moedas com o objectivo de inflacionar o preço de bitcoins.

O conhecido economista Nouriel Roubini é um dos que tem dado eco a esta suspeita, incluindo através de mensagens em redes sociais. Roubini tem também sido crítico das bitcoins e restantes criptomoedas, afirmando que são uma bolha especulativa.

Nesta terça-feira, a agência Bloomberg noticiou que as autoridades americanas estão a investigar a Tether, bem como a Bitfinex, uma bolsa de transacções. Ambas são dirigidas pelas mesmas pessoas.