Colecção de Fotografia do Novo Banco deverá ir para Coimbra

O Convento de S. Francisco, em Coimbra, é neste momento o cenário mais provável para acolher a importante Colecção de Fotografia Contemporânea do Novo Banco, que reúne cerca de um milhar de peças de 280 artistas, incluindo muitos dos mais prestigiados fotógrafos internacionais contemporâneos.

Fotogaleria
Horóscopo, 2004, de Duarte Amaral Netto Cortesia da colecção Novo Banco
Fotogaleria
Conceptual Forms 0026 (Worm Gear) , 2004, do japonês Hiroshi Sugimoto Cortesia da colecção Novo Banco
Fotogaleria
Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra III, 2006, da alemã Candida Höfer Cortesia da colecção Novo Banco
Fotogaleria
Homem Magnético, 2004, da dupla portuguesa João Maria Gusmão e Pedro Paiva Cortesia da colecção Novo Banco
Fotogaleria
Entrada Solene, em Lisboa, do Núncio Apostólico Monsenhor Giorgio Cornaro, que a partir de agora ficará exposta no Museu dos Coches dr

A Colecção de Fotografia Contemporânea do Novo Banco, “jóia da coroa” do acervo de arte oriundo do extinto BES, como a classificou esta segunda-feira o primeiro-ministro António Costa, deverá ficar depositada no Convento de S. Francisco em Coimbra, que abriu as portas em 2016, após prolongadas e ambiciosas obras de reabilitação (orçadas em 40 milhões de euros), mas cujo modelo de gestão continua por decidir.

No final da sessão de assinatura, esta segunda-feira, de um primeiro protocolo entre o Novo Banco (NB) e a Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), no novo Museu dos Coches, António Costa enalteceu a relevância da colecção de fotografia do NB e assegurou que o seu destino não passaria nem por Lisboa nem pelo Porto. A solução não estará ainda definitivamente fechada, mas o PÚBLICO sabe que estão a decorrer negociações para que esta colecção venha a ficar em Coimbra e que o cenário mais provável é que seja depositada no Convento de S. Francisco. A informação foi confirmada por fonte oficial da Câmara Municipal de Coimbra, cujo presidente, Manuel Machado, e vereadora da Cultura, Carina Gomes, assistiram em Lisboa à assinatura deste protocolo.

O documento agora assinado entre o Ministério da Cultura e o NB, entretanto adquirido pelo fundo norte-americano Lone Star, constitui a primeira materialização de um acordo que visa abrir à fruição pública o património cultural e artístico herdado do BES, através do estabelecimento de parcerias com museus, universidades e outras instituições espalhadas pelo país.

Assinado pela directora-geral do Património Cultural, Paula Silva, e pelo presidente da administração do NB, António Ramalho, o protocolo estipula que o novo Museu do Coches irá dispor em permanência da pintura a óleo Entrada solene, em Lisboa, do Núncio Apostólico Monsenhor Giorgio Cornaro, para a primeira audiência do Rei D. Pedro II, de autor desconhecido do século XVIII.

Exibida já no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em 2013, na exposição A Encomenda Prodigiosa, e emprestada depois ao Museu dos Coches, em 2016, no âmbito das comemorações dos 300 anos da Embaixada de D. João V ao Papa Clemente XI (1716), esta obra é um raro documento iconográfico de um cortejo dessa época, incluindo coches e liteiras – daí a escolha do Museu dos Coches para este depósito, efectuado pelo prazo de cinco anos, renovável automaticamente.

PÚBLICO -
Foto
Um dos exemplos do eclectismo e qualidade da colecção de fotografia do Novo Banco: Conceptual Forms 0026 (Worm Gear) , 2004, do japonês Hiroshi Sugimoto Cortesia da colecção Novo Banco

Esta tela é uma das 97 obras de pintura portuguesa e europeia que integram a colecção do NB, e que vão ser distribuídas por vários museus espalhados pelo país, num calendário que, no entanto, não foi ainda divulgado.

A referida colecção inclui obras dos séculos XVI a XX: de Os Financeiros, atribuída a Quentin Metsys (século XVI), e A Torre de Babel (escola flamenga do século XVII), a peças dos últimos séculos, e de artistas portugueses como Silva Porto, José Malhoa, Artur Loureiro, Eduardo Malta, Júlio Pomar, Júlio Resende, Eduardo Viana, Maria Helena Vieira da Silva, Carlos Botelho, Manuel Cargaleiro, Nikias Skapinakis, Ângelo de Sousa, Jorge Pinheiro, Graça Morais e Pedro Croft. O núcleo conta ainda com um conjunto de quatro Portulanos, mapas antigos dos portos conhecidos.

A assinatura do protocolo entre o banco e a DGPC assinala também a criação da marca NB Cultura, que passa a abarcar os quatros pilares do património que foi sendo reunido ao longo dos anos pelo extinto BES. Além das duas colecções já atrás citadas, há a chamada Biblioteca de Estudos Humanísticos de Pina Martins, já exposta na Fundação Calouste Gulbenkian, e que agora se encontra depositada na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Consta de mais de mil livros, entre os quais títulos impressos no século XVI, como Utopia, de Thomas More, com texto introdutório de Guillaume Budé, e outras obras raras, como uma edição de Os Lusíadas comentada por Manoel Correa (1613) ou edições coevas de autores como Dante, Petrarca, Erasmo de Roterdão, Damião de Góis, Luís António de Verney e Bernardim Ribeiro. O acervo, que compreende ainda nove incunábulos dos primeiros tempos da imprensa e perto de uma centena de obras com origem no humanista Aldo Manuzio, foi comprado pelo antigo BES, em 2008, à família do professor e investigador José de Pina Martins (1920-2010).

O quarto núcleo é uma colecção de numismática adquirida em 2007, que foi reunida por Carlos Marques da Costa e que compreende 16.575 exemplares, acompanhando a emissão de moeda ao longo de 2000 anos, centrada na História de Portugal e incluindo emissões das antigas colónias, como Brasil, Índia, Moçambique e Angola.

Mais de mil imagens

Mas aquele que é reconhecidamente o conjunto mais significativo do património artístico hoje detido pelo Novo Banco é sem dúvida a Colecção de Fotografia Contemporânea, que soma aos nomes fundamentais da fotografia internacional alguns dos mais relevantes artistas portugueses actuais neste domínio.

Com cerca de mil peças de 280 artistas oriundos de 38 nacionalidades – e que, a par de fotografias propriamente ditas, contempla ainda outras obras em que esta tem uma presença determinante –, esta colecção inclui obras de artistas como Jeff Wall, Cindy Sherman, Wolfgang Tillmans, Robert Frank, Christian Boltanski, John Baldessari, Thomas Struth, Candida Höfe, Willie Doherty, Irving Penn, Stan Douglas, Vik Muniz ou Nan Goldin, e também fotógrafos portugueses de várias gerações, como Gérard Castello-Lopes, Helena Almeida, Jorge Molder, Paulo Nozolino, Vasco Araújo, Daniel Blaufuks, Filipa César, Adriana Molder, João Tabarra e a dupla Pedro Paiva e João Maria Gusmão.

Iniciada em 2004 com a aquisição de A Woman with a Covered Tray (2003), uma caixa de luz de Jeff Wall, Sem título (2004), um auto-retrato de Cindy Sherman, Shanghai Panorama (2002), uma vista de Xangai de Thomas Struth e Rijksmuseum Amsterdam II, 2003, uma das bibliotecas fotografadas por Candida Höfer, a construção desta colecção visou oferecer um panorama diversificado da produção contemporânea no domínio da fotografia, privilegiando a aquisição de trabalhos recentes, na sua maioria já do século XXI.

"Um excelente sinal"

A colecção, considerada uma das mais importantes colecções corporativas a nível internacional, foi objecto de uma grande exposição no Museu Berardo em 2008, intitulada O Presente. Uma Dimensão Infinita e comissariada pela espanhola Maria de Corral, ex-directora do Museu Reina Sofía, e pela sua filha Lorena Martinez de Corral. Se o catálogo então publicado, com textos de vários autores, já mostrava bem a qualidade e a abrangência deste conjunto de obras, a colecção cresceu para o dobro ao longo desta última década.

Se a futura localização da Colecção de Fotografia Contemporânea estará já em vias de ser decida, já o acervo de pintura do Novo Banco deverá ser distribuído, a título de depósito, por diversas instituições, até pela natureza ecléctica do conjunto, que vai de obras de mestres quinhentistas a artistas portugueses contemporâneos, incluindo ainda pintura estrangeira de finais do século XVIII, como as paisagens de Jean-Baptiste Pillement, designadamente uma interessante representação de um dos momentos que se seguiram ao naufrágio do navio de guerra San Pedro de Alcântara em Peniche.

Uma das questões agora em aberto é de se saber que tipo de continuidade irá ser dada à política de aquisições que orientou a construção da colecção de fotografia até ao colapso do BES. Cenário que não foi levantado na sessão desta segunda-feira no Museu dos Coches, onde António Costa, segundo a Lusa, elogiou a posição do Novo Banco e considerou, lembrando também o exemplo do trajecto da Colecção Miró, que estamos perante “um excelente sinal de como hoje vivemos um tempo diferente, no qual a relação do banco, antes de ser com o Ministério das Finanças, é com o Ministério da Cultura”. 

Com Camilo Soldado