Edmundo Pedro (1918-2018), um lutador de carácter e coragem, apaixonado pela liberdade

Viveu interiormente a mágoa de ser olhado como “contrabandista de armas”, mas nunca desistiu de fazer política e de defender a liberdade e a democracia. Conheceu diversas cadeias durante o Estado Novo, entrou em vários golpes. Foi fundador do PS, onde se manteve activo como militante de base, até ao fim. O velório decorre no Centro Cívico Edmundo Pedro, em Alvalade, de onde o corpo sai às 16h de segunda-feira, para ser cremado no Alto de São João.

Foto
RG RUI GAUDENCIO - PUBLICO

Quando a democracia era uma criança em Portugal, em Janeiro de 1978, Edmundo Pedro — ontem falecido em Lisboa aos 99 anos — ficou estigmatizado com o rótulo de “contrabandista de armas”. Chegou a ser escrito nos jornais que também o era “de frigoríficos”. Preso durante seis meses e olhado desde então de lado por muito boa gente, mesmo do seu partido, o PS de que foi fundador, Edmundo Pedro nunca se explicou à época. Embora o tenha entristecido sempre o facto de nenhum dos que sabiam da verdadeira história ter saído em sua defesa. Só décadas depois abriria o jogo sobre aquelas armas que lhe foram apreendidas, ao escrever o terceiro volume das suas memórias que incide sobre o pós-25 de Abril — uma obra, aliás, incontornável para escrever a história política do século XX em Portugal.

“Edmundo Pedro nunca falou perante a polícia, ou seja, nunca assumiu que aquelas armas estavam a ser por si recolhidas e entregues de volta às Forças Armadas, de quem as tinha recebido, no processo do 25 de Novembro de 1975, por ordens directas de Ramalho Eanes”, então Presidente da República, escrevia o PÚBLICO em 2012, a propósito do lançamento do livro, em cuja apresentação Edmundo Pedro explicou o seu silêncio com o argumento de que não podia implicar alguém que era então Presidente da República. Manteve assim a mesma firmeza de carácter, o mesmo sentido de responsabilidade, de justiça e de lealdade política com que orientou toda a sua vida. Uma força de carácter que o levou a explicar: “Podia ter falado de outras pessoas. Mas recusei-me. Nunca tinha falado perante a polícia.” Acrescentando que a distribuição das 150 armas que recebeu foi combinada em sua casa, entre si, Eanes e Manuel Alegre.

Estrear o Tarrafal

Não falou na cadeia depois do 25 de Abril, como não o fez antes da revolução, que idolatrou e celebrou até à sua morte, ao lado da permanente paixão pela defesa da liberdade. E se Edmundo foi preso por razões políticas! Conheceu inúmeras cadeias durante a ditadura: Aljube, Peniche, Caxias, Tarrafal. Estreou-se nos cárceres do Estado Novo aos 15 anos, na sequência de ter participado na organização da greve geral de 18 de Janeiro de 1934. Trabalhava então no Arsenal do Alfeite desde os 13 anos (nasceu a 8 de Novembro de 1918, no Samouco, concelho de Alcochete). Foi aí que começou a ter actividade política, aderindo ao PCP, através da sua organização de jovens, a Federação das Juventudes Comunistas em 1931, onde conheceu Álvaro Cunhal, líder histórico dos comunistas, e Francisco de Paula Oliveira, “Pavel”, sobre quem escreveu um livro recentemente.

Em 1935, ascende à direcção da Federação das Juventudes Comunistas por escolha de Álvaro Cunhal e um ano depois volta a ser preso. É então que com o seu pai, Gabriel Pedro, também militante clandestino do PCP, é um dos primeiros presos políticos a inaugurar o Campo do Tarrafal, em Cabo Verde. Passa ai uma década.

Libertado em 1946, com 25 anos, nunca perdeu a determinação de lutar contra o regime, pela democracia e pela liberdade. Mesmo voltando a ser preso, saía e regressava à luta. Mesmo quando rompeu com o PCP — ou melhor, quando o PCP rompe com ele e o suspende por ter participado na preparação de uma fuga (sem êxito) do Tarrafal, em 1945.

Sem partido, participa em vários movimentos de oposição ao Estado Novo e toma parte diversas em acções radicais e armadas, como são o caso do Golpe do 12 de Março, em 1959, ao lado de Fernando Piteira Santos, e do Golpe de Beja, em 1 de Janeiro de 1962, com Varela Gomes, que foi atingido a tiro. Edmundo Pedro é de novo preso até 1965.

A sua fome de democracia e a paixão pela liberdade leva-o a estar na fundação do PS, em 1973. Foi dirigente do PS, deputado à Assembleia Constituinte e depois à Assembleia da República. Nunca foi nomeado para nenhum cargo institucional ou de Estado por confiança política, a não ser aceitar ser presidente da RTP em 1977 e 1978, ou seja, até à prisão por suposto “contrabando de armas”, um ferrete que lhe ficou colado à pele e levou a que fosse bastante ostracizado mesmo dentro do PS.

Mas apesar da mágoa que sentia, nunca se confundiu nem cedeu a apelos de outros partidos ou sectores ideológicos, nem se deixou resvalar para nostalgias do passado que o levassem de novo ao PCP. Destacou-se, aliás, pela frontalidade, lucidez, a capacidade de análise e a frieza com que criticou os regimes comunistas, até ao fim da sua vida. Assim como pelo conhecimento pormenorizado que demonstrava da história política do Ocidente. Uma segurança e um conhecimento que lhe permitiu até ao fim argumentar em defesa da democracia, da liberdade e do socialismo democrático.

O lutador pela liberdade

Pouco depois de ser pública a notícia da morte de Edmundo Pedro - cujo velório decorre-se no Centro Cívico Edmundo Pedro, da Junta de Freguesia de Alvalade, saído o corpo  às 16h de segunda-feira, para ser cremado no Alto de São João - o primeiro-ministro e líder do PS, António Costa, fez uma declaração à Lusa em que lembra a “sua longa luta pela liberdade, antes e depois do 25 de Abril”.

Sobre o homem que esteve presente em vários momentos da vida do PS, incluindo a cerimónia partidária da noite eleitoral das legislativas de 2015, António Costa referiu que o país perdeu “mais um dos homens a quem devemos a nossa liberdade”, um “resistente desde sempre à ditadura” que “demonstrou uma coragem extraordinária” e que “nunca” desistiu.

Mesmo depois do 25 de Abril em que se destacou, segundo Costa, como “elemento fundamental na articulação civil e militar na defesa da liberdade contra a deriva totalitária no período da revolução”. E não esquecendo o caso das armas, o líder do PS faz uma retractação político-partidária: “Durante anos, sofreu em doloroso silêncio acusações que a História veio a confirmar injustas.”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lamentou a morte de Edmundo Pedro através de uma mensagem colocada no site da presidência e onde se lê: “O Presidente da República manifesta o seu pesar e apresenta as condolências à família e amigos de Edmundo Pedro, lutador pela liberdade e democracia, fundador e dirigente do Partido Socialista.”

Por sua vez, o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, que é também militante do PS, partido de que foi líder, declarou à Lusa ser “com grande tristeza” que teve conhecimento do falecimento de Edmundo Pedro. Classificando-o como “antifascista, grande democrata” afirma que Edmundo Pedro “era um amigo por quem tinha uma grande admiração.

Mas não foi só da política institucional que se ouviram reacções. O dirigente histórico do PS António Campos declarou à Lusa que a morte de Edmundo Pedro representa a perda de “um dos maiores militantes pela liberdade”, com uma vida feita “de sacrifício total às causas”, acrescentando: “Perde-se uma das figuras mais importantes da resistência ao fascismo e perde-se um grande democrata e um grande socialista”, que é “um símbolo” da “batalha” pela liberdade batalha, que viveu “uma vida de um sacrifício total às causas e aos valores”, mas como um “verdadeiro homem livre e um verdadeiro militante pela liberdade”.

Também o dirigente socialista e ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, homenageou a memória de Edmundo Pedro, que caracterizou como um homem “empenhado na luta pelas liberdades”, que deixa “um lugar na história da afirmação de um Portugal democrático”. Cabrita garantiu ainda que Edmundo Pedro “era um homem amigo do seu amigo, um homem generoso, um homem que tinha sempre uma palavra amiga, sempre disponível para qualquer iniciativa, para qualquer luta e, sobretudo, com uma alegria e uma confiança no futuro que manteve neste século de vida tão rico”. Conclui destacando: “Teve as primeiras prisões na década de 30. Teve uma luta inteira de combate pela liberdade, antes e depois do 25 de Abril.(…) Deixa um lugar não só do Partido Socialista mas sobretudo na história da afirmação de um Portugal democrático, de uma tradição operária, de uma cultura autodidata, de afirmação, de participação, eu diria que quase até ao seu último dia.”

Com Lusa