Entrevista

“Na Educação, Superior e Ciência, tem sido feito pouco”

“Infelizmente não estamos neste momento numa dinâmica do que é o futuro da escola e das universidades”, há apenas um gerir de problemas, lamenta o ex-reitor.

Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos

Sampaio da Nóvoa pede maior autonomia, para “libertar” as instituições da burocracia.

Que avaliação faz do Governo em matéria de Educação?
A educação é central, como a ciência e cultura. Julgo que nestas áreas, o que tem sido feito tem sido feito de uma forma correcta - tanto na Educação, como na Ciência e no Ensino Superior. Mas tem sido pouco. Isto é: tem havido mais um gerir e resolver situações que vinham do passado...

Em 2015 disse que devíamos viver uma revolução nas escolas: mudança nos currículos, na organização e modelo da escola. Estamos a atrasar-nos?
Estamos longe. Infelizmente não estamos neste momento numa dinâmica do que é o futuro da escola e da educação. E o mesmo se diga para as universidades, que estão muito... 

Estagnadas?
Muito contidas, a palavra estagnada seria injusta. Há muita coisa que se tem feito bem. Eu, pelo meu mandato de reitor, tenho um fantasma, que é a burocracia. E o complicador imenso em que se transformou a vida das escolas, dos professores, a gestão das universidades, a vida da ciência. Fazer um projecto científico é uma coisa do outro mundo. E temos que nos libertar disso. O tema da autonomia, que é para mim central...

Tem-se falado muito na autonomia...
... mas é conversa. As escolas deviam ser ambientes vibrantes, estimulantes.

O que é que custa mais a ultrapassar? Burocracias, as medidas do Governo, os professores, a sociedade...
Há um conjunto dessas coisas todas. Mas há uma rigidificação burocrática, que se criou nas nossas instituições, que é um factor que dificulta muito essa espécie de liberdade. As pessoas, às vezes, para fazerem coisas, quase têm que sair das instituições. 

Como é que se ultrapassa isso?
No caso das universidades é consagrando um verdadeiro estatuto de autonomia, com responsabilidades claras. Precisamos de ter uma muito maior autonomia da instituições, dos professores, das universidades, da ciência. Hoje a ciência é a chave da sociedade do século XXI. A chave de tudo o que nos vai acontecer está na ciência e na tecnologia. Mas não é só a que se faz nos grandes laboratórios, não, é a que se faz dentro das escolas, na sociedade. Se não formos capazes de fazer isso, vamos andar enredados...