Opinião

Como agir no caso do dr. Rio

Algumas recomendações a quem de direito sobre como agir ou não agir no caso do empossado presidente do PSD.

A primeira semana de Rui Rio à frente do PSD foi boa. Mesmo muito boa. Não mexeu um dedo e manteve um discreto quase silêncio, não deu demasiada importância ao dossier Hugo Soares, assunto que aliás pouco mais merece do que uma réstia de paciência, não doutrinou, não propôs, nada de nada. Rui Rio sentou-se à beira da árvore a contemplar o universo e, se tem opinião sobre o pacto da justiça, sobre os números do desemprego, sobre o golo do Ronaldo do Eurogrupo, sobre as putativas listas transnacionais que tanto ânimo levantaram entre os deserdados eleitorais, sobre a Supernanny ou o canhão da Nazaré, tudo ficou pelo silêncio bucólico. Se não conspirou, já tão longe não iria, mas essa atitude zen teve pelo menos um efeito confortável para o PSD, tão agitado que andou nestes últimos meses: pôs os outros a falar dele, todos às escuras. Seguem por isso algumas recomendações a quem de direito sobre como agir ou não agir no caso do empossado presidente do PSD.

Primeira recomendação. Deixar seguir a caravana, mexer o mínimo possível. A disputa no PSD foi entre soluções de recurso e espelhos do passado. Um candidato tinha saudades de si próprio, o outro tinha saudades da sua câmara. São motivos respeitáveis e até carinhosos para se atirarem ao cargo, mas dois sexagenários a reverem glórias antigas está longe de ser a renovação refrescante que a política de direita vai exigindo aos berros. Portanto, no PSD a novela segue dentro de instantes: os cavaquistas ensaiarão a seu tempo o divórcio de Rio e, entretanto, continuarão a fazer audições, com a galáxia do Observador, da Fundação Manuel dos Santos e de outros distintos think tanks, para acharem um jovem empresário macronizável, que pareça poder pegar nos estilhaços da próxima derrota eleitoral do PSD e CDS e aconchegar uma política de charme populista à direita. Então, a melhor estratégia, e esta é recomendação para o Governo, é deixar o PSD fazer das suas e contrastar mostrando serviço ao país. Cada dia em que se sinta emprego melhor ou mais confiança económica enterra os jogos intestinos do PSD.  

Segunda recomendação, esta para os parceiros de esquerda. Não se deixem impressionar, não exagerem a pressão do PSD, que é pouca, e não ajudem o PSD a ajudar o PS a ser o centro de referência da política. Portanto, nem tenham nem mostrem receio quanto a pactos PS-PSD. Isso é fava contada: ou não resulta em nada, ou o que resulta só dá mais má fama aos nefandos pactos. Atirem-se por isso a discussões que interessam, como sobre a justiça e, mais do que tudo, prioridade das prioridades, a saúde. O pacto Semedo-Arnaut sobre a nova Lei de Bases da Saúde é o que conta neste debate, porque indica experiência e alternativa. Mostrem que têm propostas pensadas, que sabem os caminhos para governar com soluções mobilizadoras. E não se incomodem muito nem com os silêncios nem com as palavras de Rio. Olhem em frente e não para o lado.

Terceira recomendação. Os pontos fracos do PSD (e do CDS, cujo histrionismo de repente se revelou atrapalhado pelo silêncio de Rio) são agora a justiça, porque não sabe o que quer, as leis eleitorais, porque sabe o que quer mas tem vergonha de dizer, e sobretudo os serviços públicos e a economia, porque com tudo o que pode dizer é melhor ficar calado, como aquela de “fazer pior do que Maria Luís Albuquerque”. A resposta do campo parlamentar maioritário só pode ser ponderação na justiça, avanço nos serviços públicos, ignorar as leis eleitorais e dar um passo em frente onde ele falta: corrigir as leis laborais criando um fosso entre o Governo e a direita.

Em resumo, a minha recomendação é que o PS e as esquerdas deixem o dr. Rio sossegado a fazer das suas e que façam pela vida.