Valentyn Ogirenko
Foto
Valentyn Ogirenko

Cigarros electrónicos aumentam vício nos jovens

Relatório da Academia de Ciências e Medicina dos Estados Unidos conclui que fumar cigarros electrónicos é menos perigoso para a saúde dos adultos, mas aumenta o risco de vício no jovens

Fumar cigarros eletrónicos aumenta o risco de vício nos jovens, mas é menos perigoso para a saúde dos adultos do que os convencionais, com tabaco, revela um relatório da Academia de Ciências e Medicina dos Estados Unidos.

De acordo com o relatório publicado na terça-feira, e que analisou 800 estudos científicos, a nicotina presente nos cigarros electrónicos pode criar vício junto dos jovens, encorajando-os a fumar tabaco. Ainda assim, segundo a mesma publicação, os cigarros electrónicos são menos nocivos do que os cigarros convencionais para os adultos, podendo também ajudar a parar de fumar.

Os investigadores da Academia Nacional de Ciências, Engenharia e Medicina dos Estados Unidos sublinham, no entanto, que ainda faltam estudos. "Nesta fase, não é possível saber se o cigarro electrónico tem um impacto positivo ou negativo para a saúde pública", ressalva o relatório. "Os cigarros electrónicos não podem simplesmente ser considerados melhores ou piores", defende David Eaton, docente da Universidade de Washington em Seattle e presidente do conselho editorial do relatório, encomendado pelo congresso norte-americano há dois anos e agora conhecido.

Para o especialista, "os efeitos adversos dos cigarros eletrónicos sobre a saúde de adolescentes e de adultos que não fumam tabaco também merecem alguma preocupação", desde logo pelo vapor que é emitido. Ainda assim, David Eaton reforçou que usá-los "pode ser uma maneira de reduzir o tabagismo, que afecta a saúde". Os investigadores sustentam que seriam necessários mais estudos científicos para perceber os efeitos desta utilização a longo prazo.