Facebook reconhece que pode ser mau para a democracia

Empresa admite que não tem todas as soluções para resolver as notícias falsas, a manipulação política e o discurso de ódio.

O Facebook reconhece que não foi rápido a perceber as manipulações russas em 2016
Foto
O Facebook reconhece que não foi rápido a perceber as manipulações russas em 2016 Reuters/Dado Ruvic

O Facebook continua a reflectir sobre si próprio. Desta vez, reconheceu que a Internet e as redes sociais têm também consequências negativas para a democracia, afirmou que as repercussões da ferramenta na sociedade são uma surpresa e admitiu que não tem todas as respostas para lidar com o problema.

Num longo texto, com o título Perguntas difíceis: que efeitos têm os media sociais na democracia, um gestor da empresa responsável pelo envolvimento cívico, Samidh Chakrabarti, enumerou os problemas com que o Facebook se tem debatido. Começou pelo facto de a rede social ser usada como uma ferramenta de ingerência entre países (como aconteceu com as estratégias usadas pelos russos com o objectivo de influenciar as eleições americanas) e passou por questões como as notícias falsas e o discurso de ódio.

“A cada ano que passa, o desafio torna-se mais urgente”, escreveu Chakrabarti. “O Facebook foi concebido originalmente para ligar amigos e família – e tem sido excelente a fazer isso. Mas, quando um número inédito de pessoas canaliza a sua energia política através deste meio, está a ser usado de formas não previstas com repercussões sociais que nunca antecipámos”.

A publicação do texto surge depois de vários momentos recentes em que o Facebook se questionou sobre o seu próprio impacto, numa reflexão que parece estar também muito presente na mente do fundador. Em Dezembro, investigadores da rede social passaram em revista trabalhos académicos para questionar se passar muito tempo nas redes sociais era mau. No início de Janeiro, Mark Zuckerberg anunciou que a sua resolução para 2018 era consertar os problemas da rede social. Uma semana depois, dizia que planeava fazer com que o tempo que as pessoas gastam no Facebook seja mais bem passado, mesmo que isso tenha um impacto negativo de curto prazo em métricas importantes para o negócio. Já na semana passada, adiantou que a rede social vai criar uma lista de meios de informação de confiança e – num método que tem vindo a ser questionado – explicou que serão os utilizadores a escolher aquelas fontes de informação.

Nesta mais recente introspecção da rede social, Chakrabarti reconhece que a empresa não foi rápida a perceber o impacto das estratégias russas para tentar moldar a opinião de eleitores americanos. “Em 2016, nós no Facebook fomos demasiado lentos a reconhecer como os maus agentes estavam a abusar da plataforma. Estamos agora a trabalhar afincadamente para neutralizar estes riscos.”

O responsável também admite que a empresa não tem soluções para todos os problemas. “Gostava de garantir que os [efeitos] positivos estão destinados a compensar os negativos, mas não posso. Isto é uma nova fronteira e não fingimos que temos todas as respostas.”