Estes Carapaus de Corrida querem atravessar 24 países em 50 dias

Regras para participar no Rally Mongol: levar um carro pequeno e pouco potente, arrecadar dinheiro para instituições de solidariedade e não contar com rede de segurança.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Quinze mil quilómetros num "carro velho e pouco fiável", 24 países, 50 dias e "o sonho de tornar o mundo um lugar melhor". Este é o plano dos Carapaus de Corrida, grupo de cinco portugueses que se propõe completar o Rally Mongol, uma iniciativa humanitária que une Londres à cidade russa de Ulan Ude, junto à Mongólia. 

Este rali, que se apresenta como "a maior aventura automobilística do planeta", tem três regras — "gloriosamente simples". A equipa só pode levar um carro pequeno e pouco potente, tem que arrecadar mil libras para instituições de solidariedade e está totalmente por sua conta.

O lema do rali é "se nada der errado, está tudo errado". As equipas são convidadas a usar a "há muito tempo negligenciada inteligência", a fazer das tripas coração para arrecadar dinheiro para caridade (neste caso, os Carapaus de Corrida apontam para as Aldeias de Crianças SOS e para a organização não-governamental Cool Earth, que coopera com comunidades indígenas na protecção das Florestas Tropicais) e a cruzar a linha de chegada com o carro em farrapos e com um sorriso selvagem nas faces sujas. "O teu carro e a tua vida nunca mais serão os mesmos."

"Pretendemos assumir-nos como viajantes-embaixadores, levando a imagem de Portugal ao mundo e aos mercados emergentes. Pretendemos distribuir postais e produtos tradicionais das várias regiões de Portugal, despertar a curiosidade, mostrar que Portugal é feito da alma das suas gentes", explica o grupo de cinco portugueses (Carla Mota, José Oliveira, Agostinho Leitão, Eduardo Figueiredo e Rui Pinto).

"Podíamos apenas fazer um rali mas não é isso que queremos. Queremos mudar o mundo. Queremos contribuir para tornar o nosso planeta um lugar melhor. Queremos levar sorrisos e recolher alegria. Queremos levar educação que possa dar frutos daqui a alguns anos. Queremos sentir que contribuimos para um mundo melhor, um mundo onde as pessoas são mais aptas para lidar com os seus problemas e mais conscientes. Queremos ser cidadãos activos e praticantes." 

PÚBLICO -
Foto

O rali começa oficialmente em Londres e termina em Ulan Ude, na Rússia, atravessando vários países ao longo do percurso, que deve ser definido por cada equipa mas que geralmente inclui países como Turquia, Irão, Turquemenistão, Uzbequistão, Afeganistão e Mongólia, entre outros.

Até 2 de Fevereiro, os “Carapaus de Corrida” estão a realizar uma campanha de crowdfunding para garantir os fundos para os donativos para as ONG. Com este dinheiro pretendem adquirir material escolar, mapas, globos, pastas e escovas dos dentes, filtros e pastilhas purificadoras de água, etc.

Refira-se que dos “Carapaus de Corrida” fazem parte elementos do blogue Viajar entre Viagens, eleito como melhor blogue pessoal de viagens pela BTL em Portugal desde 2014 até 2017, ano em que foi o blogue de viagens mais votado pelo público nos Open World Awards promovidos pela momondo.

PÚBLICO -
Foto