Nomeações para os Óscares 2018: entre os números de A Forma da Água e a lupa da diversidade

Entre os principais nomeados estão, como esperado, A Forma da Água, com 13 menções, mas também a primeira directora de fotografia nomeada. Lady Bird, Foge ou Dunkirk também estão na corrida.

Fotogaleria
A Forma da Água
Fotogaleria
Lady Bird
Fotogaleria
Foge
Fotogaleria
Chama-me pelo teu Nome
Fotogaleria
A Hora Mais Negra
Fotogaleria
Dunkirk
Fotogaleria
Linha Fantasma
Fotogaleria
Três Cartazes à Beira da Estrada
Fotogaleria
A Forma da Água
Fotogaleria
Amor de Improviso
Fotogaleria
Eu, Tonya
Fotogaleria
Mudbound
Fotogaleria
The Florida Project
Fotogaleria
The Post
Fotogaleria
The Boss Baby
Fotogaleria
O Quadrado
Fotogaleria
Coco
Fotogaleria
Uma Mulher Fantástica
Fotogaleria
Strong Island

A Forma da Água, de Guillermo del Toro, lidera na aritmética das nomeações para os Óscares, presente em 13 categorias candidatas aos 90.º prémios da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood. Mas os números das nomeações de 2018, revelados esta terça-feira em Los Angeles, não contam a história toda dos Óscares de 2018, cheios de marcas e sintomas do momento. Em pleno momento #MeToo — como nos dois anos anteriores aconteceu sob a sombra #OscarsSoWhite —, são analisados à lupa da diversidade.

Entre os nomeados para filme e realização estão épicos como Dunkirk, de Christopher Nolan, os chamados “candidatos esperados”, mas também pequenos filmes como Foge Lady Bird. Este é um ano em que tem particular importância a presença na lista dos melhores do ano da história de crescimento feminino Lady Bird, de Greta Gerwig, mas também de Três Cartazes à Beira da Estrada, sobre uma mãe que procura justiça para a filha violada e morta, e de Foge, a alegoria sobre o racismo e a apropriação cultural de Jordan Peele num filme de terror.

É também a confirmação do momento de Chama-me pelo Teu Nome, outra história de coming of age, desta feita de fascínio entre dois rapazes, um dos filmes mais unanimemente bem recebidos nos últimos tempos, e de Três Cartazes à Beira da Estrada — embora estes últimos não tenham conseguido a nomeação para os seus realizadores.

As contas permitem fazer o habitual ranking das nomeações, inflacionadas pela possibilidade de grandes produções terem muitas menções nas categorias ditas “técnicas” e condicionadas pelos seus elencos mais ou menos alargados. A saber: nos 90.º Óscares, a guerra de Dunkirk é o segundo filme mais nomeado, com oito candidaturas ao prémio maior da indústria, mas sem presença nas categorias de actuação. É o filme que sucede em números à fantasia de A Forma da Água, um filme sobre a alteridade, sobre uma mulher que é muda e que se relaciona com um “monstro” marinho. O filme de Del Toro recebeu o prémio do sindicato dos produtores, um indicador relevante para os Óscares.

O terceiro mais nomeado é Três Cartazes..., cujo favoritismo tem crescido nas últimas semanas com os Globos de Ouro e o premonitório prémio de Melhor Elenco atribuído pelo Sindicato dos Actores, com sete nomeações. Frances McDormand tem feito o pleno dos prémios da indústria e está novamente nomeada para Melhor Actriz, ao lado de Sally Hawkins (A Forma da Água), Margot Robbie (Eu, Tonya), Saoirse Ronan (Lady Bird) e a sempiterna Meryl Streep por The Post. Este último, de Steven Spielberg e sobre a imprensa, conseguiu a nomeação para Melhor Filme (mas não para a realização), tal como A Forma da Água e A Hora Mais Negra, sobre a entrada do Reino Unido na II Guerra Mundial.

Mas 2018 é também o ano em que se assinala que Rachel Morrison se torna a primeira directora de fotografia nomeada para o respectivo Óscar após 90 anos — por Mudbound, o filme Netflix que, juntamente com o documentário Strong Island, marca a presença da plataforma de streaming nos Óscares. É o ano em que rapidamente se conclui que Greta Gerwig é apenas a quinta mulher a ser nomeada para um Óscar de realização em 90 anos de história dos prémios da Academia; e em que Peele é também o quinto negro nomeado na categoria de realização. E o ano em que James Franco, nomeado para o Globo de Ouro e para o prémio do Screen Actors Guild por Um Desastre de Artista, vê escapar-lhe a nomeação que muitos consideravam provável depois de, logo após a vitória nos Globos, ter sido acusado de má conduta sexual

O seu lugar, vistas as listas de favoritos e as escolhas dos peritos nestas coisas da temporada de prémios, parece ter sido ocupado por Denzel Washington por Roman J. Israel, Esq., que concorre assim com Daniel Kaluuya (Foge), Timothée Chalamet (Chama-me pelo Teu Nome) e com o peso de outros históricos — Gary Oldman pelo seu Winston Churchill em A Hora Mais Negra e Daniel Day-Lewis por aquele que anunciou ser o seu último papel no cinemaLinha Fantasma.

Há dois actores e duas actrizes (Octavia Spencer por A Forma da Água e Mary J. Blige por Mudbound) negros nomeados este ano, congratula-se a indústria — que continua a ser sobretudo branca e masculina (como a Academia, 87% branca e 72% masculina, apesar das recentes renovações dos seus membros). Há uma realizadora, um realizador negro e um realizador latino candidatos a prémio. “Academia evita a repetição de #OscarsSoWhite”, titulou logo a revista Hollywood Reporter; para o IndieWire, a surpresa foi Linha Fantasma ser nomeado para Melhor Filme (que somou seis nomeações); “Mulher-Maravilha, o terceiro filme mais rentável de 2017, não suscitou o amor da academia”, notava o Los Angeles Times sobre um filme-cartaz sobre o qual se especulava se teria verdadeiro potencial para entrar na liça dos Óscares.

As nomeações (cuja lista pode ser consultada em baixo) contemplaram ainda Paul Thomas Anderson, pela realização de Linha Fantasma, os estreantes Gerwig e Jordan Peele (também candidatos por Argumento Original) e ainda Christopher Plummer, outro sintoma do efeito Weinstein nos Óscares de 2018. Plummer filmou o seu papel no filme Todo o Dinheiro do Mundo em contra-relógio depois de Ridley Scott ter decidido substituir Kevin Spacey no seu filme, que estava já em pós-produção, após este ter sido acusado de assédio sexual e caído em desgraça.

“Este foi um ano notável para o cinema”, decretou John Bailey, presidente da Academia, preenchido por “trabalho ousado e aventureiro”, antes de serem divulgados os nomeados pelos actores Tiffanny Hadish e Andy Serkis. Votados por 7258 membros da academia, 1281 dos quais são actores, os Óscares são o mais importante momento da temporada de prémios do cinema americano. Este ano, no seu olhar para o cinema que se faz fora de Hollywood, nomearam Uma Mulher Fantástica, de Sebastián Lelio (Chile), Sem Amor, de Andrey Zvyagintsev (Rússia), L’insulte, de Ziad Doueiri (Líbano), O Quadrado, de Ruben Östlund (Suécia) e Corpo e Alma, de Ildikó Enyedi (Hungria). Na animação competem The Boss BabyCoco, A Paixão de Van Gogh, The Breadwinner Ferdinando.

A cerimónia de entrega dos prémios será dia 4 de Março, em Los Angeles, apresentada por Jimmy Kimmel. Está prevista a transmissão do evento para mais de 225 países, tornando-a um dos principais acontecimentos globais televisivos do mundo, chegando a centenas de milhões de pessoas. 

NOMEADOS NAS PRINCIPAIS CATEGORIAS

Melhor Filme

Lady Bird

Três Cartazes à Beira da Estrada  

A Hora Mais Negra

Linha Fantasma

A Forma da Água

The Post

Dunkirk

Chama-me pelo Teu Nome

Foge


Melhor Realizador

Christopher Nolan, Dunkirk 

Greta Gerwig, Lady Bird

Guillermo del Toro, A Forma da Água

Jordan Peele, Foge

Paul Thomas Anderson, Linha Fantasma


Melhor Actriz

Frances McDormand, Três Cartazes à Beira da Estrada  

Sally Hawkins, A Forma da Água

Margot Robbie, Eu, Tonya

Saoirse Ronan, Lady Bird

Meryl Streep, The Post

Melhor Actor

Timothée Chalamet, Chama-me pelo Teu Nome

Daniel Day-Lewis, Linha Fantasma

Denzel Washington, Roman J. Israel, Esq.

Daniel Kaluuya, Foge

Gary Oldman, A Hora Mais Negra

Melhor Actriz Secundária

Mary J. Blige, Mudbound – As Lamas do Mississípi

Laurie Metcalf, Lady Bird

Allison Janney, Eu, Tonya

Leslie Manville, Linha Fantasma

Octavia Spencer, A Forma da Água

Melhor Actor Secundário

Sam Rockwell, Três Cartazes à Beira da Estrada

Willem Dafoe, The Florida Project

Richard Jenkins, A Forma da Água

Woody Harrelson, Três Cartazes à Beira da Estrada  

Christopher Plummer, Todo o Dinheiro do Mundo

Melhor Argumento Original

Greta Gerwig, Lady Bird

Martin McDonagh, Três Cartazes à Beira da Estrada  

Jordan Peele, Foge

Emily V. Gordon e Kumail Nanjiani, Amor de Improviso

Guillermo del Toro e Vanessa Taylor, A Forma da Água

Melhor Argumento Adaptado

James Ivory, Chama-me pelo Teu Nome

Scott Neustadter e Michael H. Weber, Um Desastre de Artista 

Aaron Sorkin, Jogo da Alta Roda

Virgil Williams and Dee Rees, Mudbound – As Lamas do Mississípi

Scott Frank, James Mangold e Michael Green, Logan

Melhor Banda Sonora Original

Dunkirk, Hans Zimmer

Três Cartazes à Beira da Estrada, Carter Burwell

Linha Fantasma, Jonny Greenwood

Star Wars: Os Últimos Jedi, John Williams

A Forma da Água, Alexandre Desplat

Melhor Filme Estrangeiro

Uma Mulher Fantástica, Sebastián Lelio (Chile)

Sem Amor, Andrey Zvyagintsev (Rússia)

L’insulte, Ziad Doueiri (Líbano)

O Quadrado,de Ruben Östlund (Suécia)

Corpo e Alma, de Ildikó Enyedi (Hungria)

Melhor Filme de Animação

The Boss Baby, Tom McGrath e Ramsey Ann Naito

Coco, Lee Unkrich e Darla K. Anderson

A Paixão de Van Gogh, Dorota Kobiela, Hugh Welchman, Sean Bobbitt, Ivan Mactaggart e Hugh Welchman

The Breadwinner, Nora Twomey, Angelina Jolie, Anthony Leo, Tomm Moore e Paul Young

FerdinandoCarlos Saldanha

Melhor Documentário

Abacus, Steve James, Mark Mitten e Julie Goldman

Faces Places, JR, Agnès Varda, Rosalie Varda

Strong Island, Yance Ford de Joslyn Barnes

Icarus, Bryan Fogel e Dan Cogan 

Last Men in Aleppo, Feras Fayyad, Kareem Abeed e Søren Steen Jespersen

A lista completa de nomeações pode ser consultada aqui.