Torne-se perito

Primeira fase do concurso do Hospital do Seixal tem luz verde para avançar

Administração de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo foi autorizada a assumir um encargo de 1, 2 milhões de euros para a concepção e projecto do novo hospital.

Foto
Na sexta-feira o ministro da Saúde adiantou que a unidade vai ser integrada no Centro Hospitalar Garcia de Orta, em Almada Nuno Ferreira Santos

Depois de sucessivos atrasos, a construção do Hospital do Seixal, no distrito de Setúbal, vai finalmente avançar. A primeira fase do lançamento do concurso acontece nesta segunda-feira com a publicação da portaria que autoriza a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo a assumir um encargo no valor de 1 milhão e 230 mil euros, repartido por 2018 e 2019, para a concepção e para o projecto deste equipamento.

Assinada pelos secretários de Estado do Orçamento e da Saúde, a portaria refere que se trata de um “hospital de proximidade”, estando prevista “a existência de espaços que permitam a utilização partilhada” com o agrupamento de centros de saúde de Almada-Seixal e outras instituições. Na sexta-feira, durante uma cerimónia pública, o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, adiantou que a unidade vai ser integrada no Centro Hospitalar Garcia de Orta, em Almada, que está a ser ampliado.

O processo de lançamento da unidade há muito reclamada pela população do Seixal conheceu sucessivos atrasos e obstáculos. Depois de, em 2009, ter sido assinado um “Acordo Estratégico de Colaboração para o Lançamento do Novo Hospital Localizado no Seixal” entre o Ministério da Saúde e a Câmara Municipal do Seixal, e de em Janeiro do ano seguinte ter mesmo sido lançado um concurso público com este fim, foram ultrapassados os prazos definidos e o processo acabou por ser suspenso durante o Governo PSD/CDS-PP.

O calendário inicialmente definido previa que a construção estaria concluída em 2012. Após a suspensão, foi retomado já com o actual Governo. Em Novembro passado, o ministro das Finanças, Mário Centeno, afirmou que até ao final desse mês iria dar início à primeira fase formal do investimento, que passaria pela realização de estudos. O impacto orçamental do investimento "decorrerá na sua esmagadora maioria em 2019", explicou então, antecipando que o novo hospital, de acordo com o planeamento actual, "estaria terminado no início de 2020".

A Câmara do Seixal esclarece, em nota publicada no seu site, que o novo equipamento vai permitir “descongestionar o Hospital Garcia de Orta”, que “foi projectado para 150 mil habitantes e serve actualmente 450 mil residentes nos concelhos do Seixal, Almada e Sesimbra”.

O Hospital do Seixal, acrescenta a autarquia, representa um investimento total de 60 milhões de euros e será construído num terreno do Estado, no Fogueteiro, estando vocacionado para prestar cuidados em ambulatório, com serviço de urgência básica aberto durante 24 horas. Terá 72 camas, 60 de convalescença e 12 de cuidados paliativos, 23 especialidades e unidades de cirurgia em ambulatório, de apoio domiciliário e de medicina física e de reabilitação, refere ainda. com Lusa