Hotel do edifício de A Brasileira abre em Março

Hotel de cinco estrelas representa um investimento de 12 milhões de euros do empresário António Oliveira. Vai ser integrado no universo do Grupo Pestana.

O edifício fica na Baixa do Porto, junto ao Teatro Sá da Bandeira
Fotogaleria
O edifício fica na Baixa do Porto, junto ao Teatro Sá da Bandeira DR
O design de interiores ficou nas mãos de Jaime Morais
Fotogaleria
O design de interiores ficou nas mãos de Jaime Morais DR
O hotel de cinco estrelas terá 90 quartos e suites
Fotogaleria
O hotel de cinco estrelas terá 90 quartos e suites DR

Não foi em 2017, como estava previsto, mas vai ser em Março: o hotel no edifício histórico da cafetaria A Brasileira, na Baixa do Porto, está pronto e vai abrir ao público antes da Páscoa.

O edifício de A Brasileira foi comprado pelo empresário e ex-seleccionador de futebol António Oliveira, que acabaria por estabelecer uma parceria com o Grupo Pestana, para desenvolver o projecto de instalar um hotel naquele espaço. O nome da futura unidade hoteleira será Pestana Porto – A Brasileira City Center & Heritage Building e, segundo o comunicado que, esta sexta-feira, anunciou a sua abertura, representou um investimento de 12 milhões de euros para o ex-futebolista.

O hotel de cinco estrelas terá 90 quartos e suites, distribuídos por seis pisos temáticos (café, canela, chá, chocolate, anis e pimenta-rosa), e manterá em funcionamento a cafetaria que lhe dá o nome. O projecto de reabilitação esteve a cargo da APEL – Arquitectura, Engenharia e Planeamento, SA, do arquitecto Ginestal Machado, e permitiu que fossem “integralmente preservados todos os elementos de interesse cultural e arquitectónico do edifício”, incluindo a “impressionante fachada em azulejos, a característica pala de vidro da entrada, o restaurante e a cafetaria”, lê-se no comunicado. O design de interiores é de Jaime Morais, um habitual colaborador dos hotéis do universo Pestana.

Segundo o Grupo Pestana, o restaurante do complexo “mantém-se fiel ao desenho original do arquitecto Januário Godinho” e será liderado pelo chef Rui Martins. A cafetaria também “mantém a traça original e reabre com uma esplanada”.

A Brasileira foi fundada em 1903 por um antigo negociante da cidade que estivera anos imigrado no Brasil e que, de regresso a casa, decidiu criar uma marca própria de café. Nos primórdios da casa, a bebida era oferecida gratuitamente, a um balcão que dava para a rua, a quem comprasse um saco de café. A cafetaria só abriu em 1938. O slogan “O melhor café é o da Brazileira” (com “z”, como na grafia original da casa) está eternizado num painel cerâmico que ainda existe num muro da Rua do Dr. Ricardo Jorge.

Esta semana, a Confidencial Imobiliário revelou que entre Janeiro e Setembro de 2017 entraram em processo de licenciamento 12 novos projectos hoteleiros na Baixa e centro histórico do Porto – mais do dobro do ano anterior.

Daqueles processos, nove eram para empreendimentos de quatro ou mais estrelas e apenas dois representavam construção nova, sendo todos os outros projectos de reabilitação. A mesma fonte referia ainda, em comunicado, que, no mesmo período, entraram em licenciamento naquelas zonas do Porto 119 projectos residenciais, 82% para edifícios de apartamentos.