Autarcas do Algarve não sabem o que fazer com a agência regional de energia

O director-geral da agência está demissionário e as câmaras estão quase a deixar cair uma estrutura técnica que criaram.

Foto
ADRIANO MIRANDA

A Agência Regional de Energia e Ambiente do Algarve (Areal), criada há cerca de duas dezenas de anos pelos municípios, corre o risco de desaparecer. O director-geral da agência, José Oliveira, professor da Universidade do Algarve, apresentou o pedido de demissão “irrevogável”, alegando falta de condições para se manter no cargo. O assunto foi debatido nesta sexta-feira em reunião da Associação de Municípios do Algarve (Amal) e ficou decidido dar “um ano de moratória” para conhecer melhor a utilidade de uma estrutura técnica que nasceu para estudar e projectar as adaptações às alterações climáticas na região.

O presidente do conselho de administração da agência, Vítor Aleixo (autarca de Loulé), perguntou aos restantes autarcas qual as suas intenções para a Areal. As respostas foram evasivas. Os presidentes de câmara mostraram desconhecer o efectivo trabalho desenvolvido pela agência, que realizou mais de três centenas de auditorias em edifícios públicos municipais para reduzir os consumos energéticos e elaborou mais de uma centena de projectos para renovação e ampliação de sistemas de iluminação pública.

“Temos dada uma atenção superficial a este assunto”, lamentou Vítor Aleixo, referindo-se à eficiência energética e descarbonização. O autarca só aceitou ser reconduzido nas funções, em nome da Amal, com o “compromisso” das câmaras encontrarem formas de sustentabilidade para a agência, que tem vindo a perder capacidade concorrencial no mercado dos estudos e projectos. O quadro técnico da associação, nos últimos anos, está reduzido a cerca de um terço — apenas seis pessoas.

Os presidentes de câmara manifestaram-se a favor da continuação da agência mas com reservas. Perante a dificuldade em constituir uma carteira de projectos, o presidente da câmara de Faro, Rogério Bacalhau, sugeriu que a empresa deveria fazer um périplo pelos municípios para “vender” os seus serviços, à semelhança do que fazem as empresas privadas concorrentes. O presidente da Amal, Jorge Botelho, recordou que José Oliveira, há dois anos (já com o pedido de demissão assinado), tinha estado na Amal a lamentar a falta de condições para continuar em funções. Vítor Aleixo pediu solidariedade aos restantes autarcas, deixando transparecer mágoa pelo impasse criado: “Seria incompreensível deixar morrer a Areal”, disse, lembrando que se trata de uma associação que junta parceiros públicos e privados, entre os quais, a Universidade do Algarve, Região de Turismo, EDP, Águas do Algarve, entre outros.

O vice-presidente da câmara de Portimão, Castelão Rodrigues, admitiu que nos últimos quatro anos a autarquia não tinha encomendado nenhum projecto à agência, mas prometeu mudar de atitude. “Vamos, certamente, encomendar serviços”, disse. Por seu lado, Vítor Aleixo adiantou que já tinha “sinalizado” um técnico para substituir José Oliveira, mas não revelou o nome.

Sugerir correcção