Joana Andrade Nunes criou a Tierno, uma marca de luxo para bebés

Além de peças personalizáveis e com tamanhos que vão dos 0 aos 18 meses, esta etiqueta disponibiliza ainda roupa e acessórios para prematuros.

Fotogaleria
DR
Fotogaleria
Vestido (495 euros) DR
Fotogaleria
Jardineiras (495 euros) DR
Fotogaleria
Camisa (121 euros) DR
Fotogaleria
Casaco (149 euros) DR
Fotogaleria
Conjunto (259 euros) DR
Fotogaleria
Botas (89 euros) DR
Fotogaleria
Botas (89 euros) DR
Fotogaleria
Touca (102 euros) DR

Depois de ter ficado grávida do primeiro filho, Joana Andrade Nunes começou a procurar roupa para bebé que pudesse passar de geração em geração e, desta forma, contar a história da família. Procurou, procurou, até que decidiu desenhar as suas próprias peças. Hoje, a advogada tem um negócio de roupa de luxo para bebé. Chama-se Tierno e nasceu em Abril de 2017.

“Comecei a desenhar algumas peças por brincadeira e pedi à minha mãe e à minha avó para darem corpo às minhas ideias”, conta a empresária que mora em Palmela, Setúbal, acrescentando que “ambas têm jeito, apesar de nenhuma ser costureira ou bordadeira profissional”.

Quando Francisco nasceu, em 2014, foi-lhe diagnosticada pele atópica, “ou seja, tinha a pele muito sensível e, por essa mesma razão, só podia usar roupa de algodão orgânico”. Assim, “criamos as primeiras peças do enxoval do Francisco. Cerca de 15 meses depois voltei a ficar grávida e tive de pedir novamente à minha mãe e à minha avó para me ajudarem a dar vida aos desenhos”, recorda. Em Agosto de 2016, nasceu Carminho.

Contudo, foi desde que preparou o enxoval do primeiro filho que os mais curiosos começaram a perguntar onde é que Joana comprava as peças, o que a levou a criar a marca. Na Primavera de 2017, Joana Andrade Nunes lançou a Tierno – que significa "ternura" em latim –, uma etiqueta que alia a matéria-prima biológica e orgânica, que protege a pele sensível dos bebés, a um estilo clássico e intemporal.

Por serem feitas à mão, as peças da Tierno podem ser personalizadas, ou seja, as inciais do bebé podem ser bordadas, o que oferece ainda um carácter “mais peculiar, diferenciador e único”, classifica. “Assim, temos a certeza que aquela peça foi especificamente criada para aquele bebé e que pode ser passada ao longo de várias gerações, contando a história daquela família. Acho que a roupa, neste caso tem um cariz muito pessoal, familiar e sentimental”, justifica.

Além da marca disponibilizar roupas, acessórios e calçado dos 0 aos 18 meses, vende peças criadas especialmente para bebés prematuros, que se distribuem por três tamanhos, que “são difíceis de encontrar não só em Portugal, mas em todo o mundo, já que são tamanhos para bebés com 24, a 26 semanas, e que precisam de ter características específicas para ser mais fácil a colocação dos tubos da incubadora”.

Joana Andrade Nunes explica que depois de a Tierno surgir, as peças deixaram de ser criadas pela mãe e pela avó, para começarem a ser produzidas por artesãs de todo o país, assim como os tecidos e matérias-primas utilizadas são locais. “É tudo 100% português. Percorri o país à procura de materiais e de costureiras, bordadeiras, tricotadeiras, às quais apresentei o projecto e às quais pedi protótipos para perceber se o padrão de qualidade correspondia ao padrão da Tierno. Queremos trabalhos perfeitos, delicados, criados com tempo, carinho e amor.” E a perfeição paga-se: os preços variam entre os 87 e os 500 euros.

PÚBLICO -
Foto

Depois de encontrar os “talentos certos para colaborar com a marca”, a empresária criou uma plataforma online para disponibilizar os produtos para todo o mundo e para “levar não só a marca, mas também o talento português além-fronteiras”. E é fora de portas que estão os principais consumidores – no Japão, México, Estados Unidos, Reino Unido e Holanda. Além disso, a Tierno já conquistou algumas das it-moms internacionais como Paola Alberdi, Patricia Chang, Jo Holley e Sophie Paterson.

Texto editado por Bárbara Wong