Kino 2018: o cinema alemão recente em Lisboa, Porto e Coimbra

A programação apresenta uma série de produções alemãs, austríacas e suíças realizadas ao longo dos últimos três anos.

Foto
Wilde Maus, estreia na realização do actor austríaco Josef Hader dr

É com Wilde Maus, estreia na realização do actor austríaco Josef Hader, que tem início esta quinta-feira no cinema São Jorge, em Lisboa, a 15.ª edição da Kino – Mostra de Cinema de Expressão Alemã. Organizada como sempre pelo Goethe Institut, a Kino instala-se em Lisboa de 18 a 24 de Janeiro (São Jorge e auditório do Goethe Institut), seguindo depois para o Porto (Rivoli e Passos Manuel) de 25 a 28 e terminando em Coimbra (Gil Vicente) de 14 a 16 de Fevereiro. A programação apresenta uma série de produções alemãs, austríacas e suíças realizadas ao longo dos últimos três anos, entre as quais a biografia do pintor austríaco Egon Schiele, Tod und Mädchen, ou o regresso à ficção de Wolfgang Becker, realizador de Adeus, Lenin, com Ich und Kaminski

Em paralelo à produção de ficção, será igualmente exibida uma selecção de documentários que inclui B-Movie – Lust & Sound in West Berlin (já exibido no IndieLisboa e no Porto/Post/Doc) ou o filme de Andres Veiel sobre o artista Joseph Beuys, Beuys, que tem estreia agendada para o dia 25. A salientar ainda a secção para escolas que irá exibir no Goethe-Institut alguns dos títulos-chave da produção alemã recente, como Sonnenallee de Leander Haussmann ou Wintertochter de Johannes Schmid. Em Lisboa, a Kino encerra com a ante-estreia de A Ordem Divina, onde a suíça Petra Biondina Volpe ficciona o arranque dos direitos da mulher na Suíça da década de 1970. Os pormenores da programação deste ano podem ser consultados no site oficial do Goethe Institut.