Casal mantinha os 13 filhos cativos dentro de casa

Os pais, dois norte-americanos de 57 e 49 anos, ficaram em prisão preventiva, sob suspeita da prática de tortura e de pôr crianças em perigo.

Foto
David Allen Turpin e Louise Anna Turpin só podem libertar-se da prisão preventiva mediante o pagamento de uma caução de 9 milhões de dólares cada Riverside County Sheriff’s Department/HANDOUT/EPA

Treze irmãos mantidos cativos pelos pais. Domingo, a filha de 17 anos conseguiu fugir e alertar as autoridades. Telefonou para o número de emergência a partir de um telemóvel que encontrou dentro de casa, situada em Perris, duas horas a sudeste de Los Angeles, na costa Oeste dos EUA. A polícia libertou os irmãos pouco depois.

A história foi esta segunda-feira contada por diversos órgãos de comunicação norte-americanos — como o The New York Times, o L.A. Times, a CNN. A rapariga, que parecia ter apenas dez anos de idade, avisou as autoridades que ela e os irmãos estavam cativos dentro de casa, alguns acorrentados às camas, todos sunnutridos e com idades compreendidas entre os dois e os 29 anos.

Segundo o comunicado emitido pelo departamento do xerife de Riverside County, num primeiro momento, os agentes julgaram que as pessoas que encontraram num ambiente escuro e nauseabundo eram todas menores de idade. Depois perceberam que sete já tinham atingido a maioridade. Estavam “esfomeadas”. Tiveram de as alimentar. 

A protecção de menores foi acionada, bem como a protecção de adultos. As seis crianças foram depois levadas para a unidade de saúde da Universidade de Riverside e os adultos para a unidade de saúde regional de Corona.

Os pais — David Allen Turpin, de 57 anos, e Louise Anna Turpin, de 49 — ficaram em prisão preventiva. Foram indiciados por 19 crimes: nove de tortura e dez de negligência/maus tratos de crianças. Só podem sair mediante uma fiança de nove milhões de dólares cada um.

Examinando o caso, os investigadores perceberam que naquela morada estava registada uma escola particular, inaugurada em 2011. A família fora autorizada a abrir uma escola num anexo da casa, que este ano tinha seis estudantes. O homem figurava como director.

Outros registos entretanto encontrados pelas autoridades indicam que o casal se tinha mudado do Texas para a Califórnia em 2010 e tinha declararado insolvência no ano seguinte. Nessa altura, ele assumia-se como engenheiro e ela como dona de casa. Tinham avultadas dívidas relacionadas com cartões de crédito e com uma quinta que tinha sido encerrada, em Rio Visa, no Texas.

Uma das avós disse à CNN que o casal era muito protector. Rapazes e raparigas saíam de casa todos vestidos de igual por razões de segurança.

A imprensa americana publicou diversas fotografias partilhadas pela família no Facebook, onde o casal tem uma página conjunta. Há, por exemplo, uma do dia em que o casal renovou os votos de casamento. A mulher está vestida de noiva, o homem vestido de noivo e os filhos todos vestidos de igual, as raparigas de vestido colorido e sapatos brancos, os rapazes de fato e gravata. Têm ar imberbe, penteado infantil, a pele muito clara.