Primeiro-ministro diz que é preciso apurar se “houve alguma falha e onde”

“Todas as entidades que têm responsabilidades de fiscalização têm de exercer essa função e não a podem descurar”, disse António Costa.

Foto
NUNO FERREIRA SANTOS

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou nesta segunda-feira que é necessário “verificar se houve alguma falha e onde” no acidente numa associação recreativa no concelho de Tondela, distrito de Viseu, que provocou oito mortos e 38 feridos.

“É necessário apurar as condições do incidente e verificar se houve alguma falha e onde”, disse António Costa aos jornalistas, em Leiria, destacando a “capacidade de resposta notável” da Protecção Civil e dos serviços de Saúde “perante a tragédia”.

Questionado sobre edifícios idênticos que são construídos pelas populações voluntariamente, o chefe do executivo salientou que “a legislação sobre as normas de segurança tem de ser aplicada em todo o país e em todas as construções”.

“É isso que é necessário assegurar; as entidades a quem compete a fiscalização são diferentes, de acordo com a natureza das instalações”, apontou António Costa, frisando que “todas as entidades que têm responsabilidades de fiscalização têm de exercer essa função e não a podem descurar”.

O incêndio de sábado à noite, que deflagrou durante um jantar numa associação recreativa de Vila Nova da Rainha, fez pelo menos oito mortos e 38 feridos, entre graves e ligeiros, de acordo com fonte do Ministério da Saúde.

Dos 38 feridos, nove já tinham tido alta hospitalar ao final da manhã de domingo e 13 estavam, no domingo, internados no hospital de Viseu, dois dos quais em cuidados intensivos. Houve ainda 16 feridos graves enviados para outras unidades hospitalares, de Coimbra, Lisboa e Porto.