Primeira divisão no grupo parlamentar do PSD, que promete ser um foco de tensão

António Leitão Amaro e Luís Marques Guedes são dois dos nomes fortes que circulam como alternativas para substituir o actual líder, Hugo Soares. Dois “vices” da bancada puseram os lugares à disposição de Rio.

Foto
Rio ainda não disse se vai mudar o líder da bancada, mas já estão a ser sugeridas alternativas LUSA/ANTÓNIO COTRIM

Quase ainda nem os festejos da vitória de Rui Rio tinham arrefecido e já estava a lançada a polémica na bancada parlamentar do PSD. José Eduardo Martins, apoiante de Rio, sugeriu na TSF o nome de António Leitão Amaro para futuro líder parlamentar. Só que há quem prefira outro nome – Luís Marques Guedes – pela experiência e capacidade de fazer pontes com os apoiantes de Rio.

Para avolumar as divisões que já começam a ser visíveis, dois vice-presidentes do grupo parlamentar - Sérgio Azevedo e Amadeu Albergaria - anunciaram no Facebook que os seus lugares estão, a partir de agora, à disposição de Rui Rio. Uma decisão que, ao que o PÚBLICO apurou, não será seguida por Hugo Soares, o actual líder parlamentar. E já há deputados a sair em sua defesa. 

Num grupo parlamentar que maioritariamente apoiou Santana Lopes, o nome de António Leitão Amaro, vice-presidente da bancada, para líder não caiu bem. Ainda mais quando, no discurso de vitória, Rui Rio disse que o PSD não foi fundado para ser um “clube de amigos” - o que está a ser mal acolhido e a ser entendido como uma forma de “pedir cabeças” no PSD. A primeira seria já a de Hugo Soares, que apoiou Santana Lopes, e foi eleito por larga maioria em Julho do ano passado.

Antes de mais há quem lembre, como a ex-ministra da Justiça Paula Teixeira da Cruz, que “o líder parlamentar é eleito entre os seus pares e que o actual acabou de ser eleito com uma percentagem expressiva e que, por isso, tem toda a legitimidade para continuar”.

Entre os deputados que apoiaram Santana Lopes, mas também os que estiveram ao lado de Rui Rio, surge também como hipótese para a nova liderança Luís Marques Guedes que já presidiu ao grupo parlamentar quando Manuela Ferreira Leite liderou o partido. Foi também ministro de Passos Coelho, mas é visto como uma figura com autoridade e capaz de fazer pontes para a equipa de Rui Rio.

Ao seu lado poderia estar Emídio Guerreiro, que foi seu secretário de Estado do Desporto e também apoiante de Rio. Os que vêem com agrado Marques Guedes lembram que a sua capacidade de pacificar as duas alas é considerada necessária quando a bancada laranja pode ser palco de conflitos no partido.

Os sociais-democratas não esquecem de que há um proto-candidato à liderança do partido na bancada – Luís Montenegro. O antigo líder parlamentar já avisou, aliás, no encerramento da campanha de Santana Lopes que “faltam 21 meses para o PSD ganhar as terceiras eleições legislativas consecutivas” - Rio está, por isso, obrigado a ganhar - e que é "o tempo para construir uma alternativa" à maioria de esquerda.

Outro nome forte para a futura direcção da bancada é Fernando Negrão, que esteve com Santana Lopes, mas que também é visto como uma figura capaz de fazer pontes. Na equipa de Rio há quem admita mudanças mas garanta que o intuito não será retaliar contra quem esteve com o adversário destas directas.

Na bancada, há quem dê a cara para deixar avisos ao novo líder. Carlos Costa Neves, ex-secretário de Estado dos Assuntos Europeus de Passos e antigo líder do PSD-Açores, sugeriu a Rui Rio que trate desta questão com “algum cuidado” e “muita serenidade”. O deputado defendeu que “seria bom não pôr em causa” uma direcção eleita há cerca de seis meses e lembrou que o líder é eleito pela vontade do grupo.

A bancada laranja é o maior grupo parlamentar – com 89 deputados – e elege a direcção por maioria para duas sessões legislativas completas, de acordo com o regulamento interno. Na letra da lei, a actual direcção poderia manter-se até Julho de 2019. Caso os deputados sintam que as eleições foram forçadas, o candidato a líder do grupo parlamentar - seja quem for - arrisca-se a ter um elevado número de votos em branco. E aí será um sinal para a nova direcção de Rio.