Marcelo testemunhou no caso que envolve ex-vice-presidente de Angola

Presidente da República tinha sido arrolado, sem saber, como testemunha abonatória de um dos arguidos do processo. Mas, num depoimento por escrito, não fez qualquer juízo.

Foto
LUSA/Manuel Almeida

O Presidente da República testemunhou no âmbito do processo da Operação Fizz, tendo enviado o seu depoimento por escrito isto apesar de a legislação não o obrigar a fazê-lo, noticia nesta sexta-feira o Diário de Notícias (DN).

De acordo com o DN, Marcelo foi escolhido por um dos arguidos do processo, Paulo Blanco, como testemunha abonatória sem o seu próprio conhecimento. Apesar disso, no depoimento escrito, o Presidente da República não fez qualquer juízo sobre o arguido e garantiu não ter conhecimento dos factos que compõem o processo.

Na Operação Fizz, Manuel Vicente, ex-vice-presidente de Angola, é suspeito de ter corrompido o procurador português Orlando Figueira, quando este trabalhava para o Departamento Central de Investigação e Acção Penal, para que fossem arquivados inquéritos em que o então governante era visado.

Este processo provocou também uma deterioração nas relações entre Portugal e Angola, com o Governo de Luanda a lançar algumas ameaças a Lisboa. Esta semana o Presidente angolano, João Lourenço, considerou uma "ofensa" a forma como o Estado português conduziu o caso que envolve Manuel Vicente, acrescentando que "qualquer posição nova de Angola vai depender muito do desfecho deste caso".