Líder da CGTP defende que "este é o momento" para alterar a lei laboral

Arménio Carlos avisa o Governo de que "nenhuma forma de luta está excluída".

Arménio Carlos interveio no plenário nacional de sindicatos da CGTP
Foto
Arménio Carlos interveio no plenário nacional de sindicatos da CGTP LUSA/MIGUEL A. LOPES

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, defendeu nesta sexta-feira que “este é o momento” para o Governo passar das palavras aos actos e alterar a legislação laboral, exortando o PS a encontrar soluções com os partidos à esquerda. Arménio Carlos falava aos jornalistas no final do plenário nacional de sindicatos da CGTP, em Lisboa, que reuniu quase 700 dirigentes e activistas sindicais, que aprovaram as linhas estratégicas da intersindical para 2018.

“Este é o momento para falar e para se concretizar” as alterações à legislação laboral, afirmou o líder da CGTP, lembrando que o Governo disse que a discussão iria ser feita na Concertação Social, mas ainda não apresentou nada em concerto. “Não nos podemos esquecer de que estamos a meio do mandato do Governo e, ou conseguimos que as coisas sejam resolvidas em 2018, ou corremos o risco de chegar às eleições [legislativas em 2019] e a legislação laboral continuar intocável”, sublinhou.

Para Arménio Carlos, o Governo “tem de dar um impulso muito claro sobre aquilo que quer fazer” na legislação laboral e recusar o “lobby das confederações patronais”, que recusam alterações. A CGTP está disponível para negociar, mas não para ser "cúmplice de um processo em que se fala muito e se faz pouco”, acrescentou.

As alterações à lei laboral “fazem-se com a participação dos trabalhadores”, mas “há a necessidade de os deputados do PS terem uma atitude de abertura juntamente com os do PCP, BE e PEV” para se encontrarem soluções, defendeu Arménio Carlos. Na sua intervenção no encerramento do plenário, o líder da intersindical apelou à mobilização e unidade de todos os trabalhadores para que o Governo “passe a reflectir duas vezes antes de decidir” e sublinhou que nenhuma forma de luta está excluída, ficando dependente do evoluir dos acontecimentos.

Para já, além das acções sectoriais e em várias empresas, estão agendadas três acções nacionais: uma semana de luta pela igualdade no início de Março, uma manifestação nacional da juventude trabalhadora em 28 de Março e a jornada de luta do 1.º de Maio.

Na resolução aprovada por unanimidade no plenário, a CGTP volta a exigir o aumento geral dos salários em pelo menos 4%, o combate à precariedade, a negociação colectiva, o direito a 25 dias úteis de férias, entre outras matérias.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações