Um museu virtual para dar a conhecer o vinho português no mundo

A Lusovini, empresa produtora e exportadora de vinho, apresentou um museu virtual para melhorar a imagem e o posicionamento dos vinhos nacionais.

Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria

Os vinhos portugueses precisam de se posicionar melhor nos mercados internacionais, onde não podem competir pelos preços baixos, defende Casimiro Gomes, presidente da Lusovini, grupo produtor e exportador de vinho. Casimiro sabe do que fala porque 75% da produção da Lusovini (que tem empresas próprias nos Estados Unidos, Brasil, Angola e Moçambique e um escritório de representação em Macau, na China) é vendida no estrangeiro e isso significa que, diariamente, se confronta com este problema.

“Faltam-nos instrumentos para comunicarmos melhor”, disse na quarta-feira, durante a apresentação do Museu Virtual do Vinho do Dão, no Museu do Teatro Romano, em Lisboa. Lembrando que Portugal compete com a grande experiência de marketing de países como a França, a Itália ou a Espanha, sublinhou que “o que nos falta é trabalhar para comunicarmos melhor”. Porque os outros factores já existem: “Temos história, património, paisagem, clima, vinhos de primeira linha e vinhos de topo.”

O Museu Virtual do Vinho do Dão, feito pela produtora Baga Yaga, com coordenação científica de Virgílio Loureiro, professor aposentado do Instituto Superior de Agronomia e investigador da história do vinho em Portugal e no mundo, é, para já, bilingue, com textos em português e inglês, mas ainda este ano deverá passar a ter também traduções em mandarim e francês, para chegar a alguns dos mercados mais importantes para o vinho português.

“A história do vinho do Dão está por fazer, por isso este é um museu incompleto mas dinâmico, que vai sendo desenvolvido e alterado e que terá exposições permanentes e temporárias”, explicou Virgílio Loureiro, na apresentação do site, que contou com a presença do ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral.

PÚBLICO -
Foto

O museu, que se inicia por uma explicação sobre como se faz vinho, oferece depois uma viagem pela história desta bebida que, julga-se, terá surgido pela primeira vez há cerca de oito mil anos na região do Cáucaso. Seguimos o caminho das videiras que, do Cáucaso, vieram até à Península Ibérica, onde o vinho começou a ser comercializado por fenícios e gregos a partir do século VIII a.C.. De seguida, zoom para a região do Dão e a forma como a cultura do vinho ali se desenvolveu ao longo dos séculos (tornou-se região demarcada entre 1908 e 1912).

Apesar das dificuldades em conseguir informação fidedigna e em ter acesso a alguns arquivos, Virgílio Loureiro orgulha-se de revelar neste site coisas inéditas, como, na entrada referente à “Mesa Aristocrática do Dão”, as imagens de serviços provenientes de solares da região, que provam a importância dada ao consumo de vinho – nomeadamente um serviço encomendado por uma casa senhorial destinado a 350 pessoas e com sete copos por pessoa.

No final da apresentação, houve uma prova de “vinhos históricos” organizada também por Virgílio Loureiro, que quis mostrar como se bebia vinho em diferentes momentos da história. Assim, o primeiro vinho, servido em malgas de barro – não pôde ser de terra sigillata como seria no tempo dos romanos, mas foi o mais próximo possível –, era uma réplica de uma receita do século II, “na fronteira entre a bebida e o medicamento”.

Segundo Virgílio Loureiro, este vinho, feito por ele em talha e com infusão de ervas e especiarias, tinha fama de fazer bem à saúde, sobretudo ao estômago. "Não se pode provar o vinho de uma era com o palato de outra", avisou. Para acompanhar, o chef Vítor Sobral fez um petisco que tentou que fosse próximo dos sabores da época e que harmonizasse com o vinho, usando morcela torrada, passas e azeitonas maceradas.

PÚBLICO -
Foto

Seguiram-se dois vinhos do século XII, da Alta Idade Média e da Baixa Idade Média, o primeiro vindo dos Calcatorium, os lagares rupestres escavados na rocha que existem em grande número no concelho de Valpaços. O vinho, um palhete, explicou o professor, é feito com pisa a pé e de bica aberta e depois armazenado parte em talhas e parte em madeira, por não haver a certeza absoluta de como seria na época. Foi servido com salada de lebre, nozes e ervas.

O terceiro foi o vinho histórico que ainda hoje é feito em Ourém a partir de uma receita dos monges de Alcobaça. Trata-se, diz Virgílio Loureiro, “do último vinho cisterciense da Europa da cristandade” e, por isso mesmo, merecia outra atenção, que impedisse que o número daqueles que o produzem continuasse a cair. É feito com 80% de uvas brancas e “tingido” com uvas tintas e, para ele, Vítor Sobral criou um prato de sabores intensos, com conserva de porco, especiarias e anchovas.

Antes dos dois vinhos com que a prova terminou, um tinto e um branco, ambos da Lusovini, houve ainda a oportunidade de provar outro vinho branco histórico, embora bastante mais recente, de 1974, proveniente do Centro de Estudos Vitivinícolas do Dão, que casou na perfeição com uma pasta de amêndoas torradas, bucho de bacalhau e azeite de pimenta preta. 

PÚBLICO -
Foto

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações