Michael Douglas (ainda) não foi acusado de assédio, mas já tem defesa

Numa entrevista ao site Deadline, o actor de 73 anos veio defender-se contra acusações de assédio sexual que ainda estão por ser publicadas.

Reuters/CARLO ALLEGRI
Foto
Reuters/CARLO ALLEGRI

Ao contrário de vários actores em Hollywood, Michael Douglas não foi acusado publicamente de assédio sexual, no seguimento do escândalo de Outubro passado. Mas, segundo o próprio, é apenas uma questão de tempo até que isso aconteça.

Numa entrevista concedida ao site Deadline, fala sobre várias acusações de uma ex-trabalhadora sua, negando-as em antecipação às histórias que poderão eventualmente ser publicadas pelo The Hollywood Reporter. O actor de 73 anos terá sido contactado, em meados de Dezembro, pelo advogado a informar que a revista estava a investigar o que terá acontecido há cerca de 32 anos.

A alegada vítima – cujo nome não foi revelado – acusa Douglas de ter usado "linguagem colorida" à sua frente de ter falado de forma vulgar em conversas por telefone com amigos, ao seu lado de a ter colocado na lista negra na indústria, impedindo-a de encontrar outro emprego e , finalmente, de este se ter masturbado à sua frente.

Douglas lembra-se da pessoa em questão como "sofisticada, inteligente e com bom sentido de humor". Quanto à questão da linguagem, pede desculpa por algo que a tenha ofendido, lembrando que estas palavras nunca foram direccionadas à mesma. "Quanto a colocá-la numa lista negra, isso é completamente falso", continua. "Finalmente, masturbar-me à sua frente? Nem sei por onde começar. É completamente mentira, uma fabricação, não tem qualquer fundo de verdade."

Foi isto que terá dito, no mês passado, ao The Hollywood Reporter. "O repórter contou-me 'ela disse, de facto, que nunca a assediou, nunca lhe tocou'". Então, ficou combinado que falariam depois das festividades, quando o jornalista tivesse a oportunidade de digerir melhor toda a informação. Mais recentemente, o actor foi informado que a ex-trabalhadora estaria "possivelmente a tentar dar a história a outras pessoas" e que outras publicações estariam também a trabalhar na mesma história – colocando pressão sobre o Hollywood Reporter para publicar o quanto antes.

"Não há corroboração", atira o actor, "apenas que descobriram que outras pessoas podem publicar a história". Referindo que a alegada vítima escreve em blogues, o actor especula que poderá tratar-se de uma manobra de publicidade para projectos futuros, já que esta demonstrou interesse em escrever um livro autobiográfico.

Douglas decidiu não esperar e defender-se antes do tempo. "Não tenho esqueletos no armário", afirma. "Eu apoio o movimento #MeToo com todo o coração. Sempre apoiei as mulheres". Mas aponta também para o lado menos positivo: "Este é o tipo de passo que pode pôr entraves no movimento. Ser acusado, sem hipótese de defesa". A haver algum crime, já teria prescrito há muito tempo, explica. "A parte que mais magoa é ter de partilhar algo como isto com a minha mulher e os meus filhos", conta o actor, casado há quase duas décadas com Catherine Zeta-Jones, com que tem um filho de 17 anos e uma filha de 14.