Minho e Barcelona oficializam parceria na supercomputação

A aposta dos especialistas será na análise de dados e aplicações para “servir” o Centro de Investigação Internacional do Atlântico (AIR Centre). Este pólo ficará situado na Universidade do Minho.

Foto
Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor FERNANDO VELUDO/NFACTOS

O plano já tinha sido anunciado: o primeiro projecto do Centro Internacional de Investigação do Atlântico (AIR Centre), que deverá ter sede nos Açores, é a instalação de um supercomputador na Universidade do Minho (UM) para a análise de dados científicos e desenvolvimento de novas aplicações em diversas áreas de estudo. Agora, esta sexta-feira, é assinado o protocolo que oficializa a parceria entre o Centro de Computação Avançada do Minho e o Centro de Supercomputação de Barcelona.

A nova infra-estrutura de computação será instalada na UM no primeiro trimestre deste ano e servirá o AIR Centre , “servindo de base ao estabelecimento da rede AIR Centre Data Intelligence Network (AIR-DataNet)’”, adianta o comunicado divulgado esta quinta-feira pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES). O objectivo, acrescenta o documento, é “o desenvolvimento das ciências dos dados e aplicações à interacção clima-oceanos” durante 2018 e contando com a colaboração de outros parceiros internacionais que integram o Air Centre.  

“O Centro de Computação Avançada do Minho é uma infra-estrutura de computação avançada, cedida à FCT [Fundação para a Ciência e Tecnologia ] pelo Centro de Computação Avançada (TACC) da Universidade do Texas em Austin no âmbito da parceria internacional entre a Universidade do Texas e Portugal”, esclarece ainda o comunicado. Assim, este primeiro pólo do AIR Centre na UM aposta em “novas áreas de computação em Portugal, assim como aplicações diversas de âmbito científico e empresarial em áreas que abrangem o clima, a segurança marítima, o apoio às pescas, a monitoração de padrões de mobilidade nas cidades, o estímulo da biodiversidade, a gestão do risco nas florestas e aplicações na saúde, incluindo bioinformática”.

O AIR Center, que conta ainda com a participação de várias organizações de investigação e tecnologia, pretende unir forças para explorar e investigar o Atlântico, através dos oceanos, atmosfera, clima, energias renováveis e espaço. Em Julho, foi assinada a Declaração de Belém, em Lisboa, que uniu a União Europeia, o Brasil e a África do Sul num compromisso de cooperação e investigação no Atlântico Sul e que pretendia viabilizar o acesso a financiamento para vários projectos científicos.

O protocolo de colaboração é assinado esta sexta-feira, em Barcelona, e junta a FCT, a UM e o Centro de Supercomputação de Barcelona, na presença do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior português, Manuel Heitor, e da secretária de Estado para a Investigação, Desenvolvimento e Inovação de Espanha, Carmen Vela. 

Durante a deslocação a Barcelona, Manuel Heitor participará ainda numa reunião bilateral com Carmen Vela, e visitará a IBM Barcelona.