Protestos violentos na Tunísia contra o aumento dos preços

Líder da oposição promete continuar com manifestações nas ruas. Reformas económicas exigidas como contrapartida de empréstimo do FMI na origem da insatisfação.

Foto
Manifestação em Túnis Zoubeir Souissi/REUTERS

O maior partido da oposição da Tunísia, a Frente Popular, liderada por Hamma Hammami, apelou à continuação dos protestos contra o Orçamento “injusto” para 2018, que prevê aumentos dos preços e dos impostos. Na noite de segunda-feira, as manifestações transformaram-se em confrontos violentos com a polícia em pelo menos dez cidades, relata a Reuters, e um manifestante morreu em Tebourba, a cerca de 40 quilómetros da capital, Tunes.

A entrada em vigor, a 1 de Janeiro, de novos preços do gasóleo, do telefone e do acesso à Internet, agravados por novos impostos, foram o gatilho destes protestos, explica o Le Monde. Estas medidas destinam-se a compensar as perdas de investimento estrangeiro e no turismo, que era a grande fonte de rendimento da Tunísia, mas que foi gravemente afectado pelos atentados terroristas. Mas o desemprego e a falta de crescimento da economia são problemas antigos.

O primeiro-ministro, Youssef Chahed, tentou acalmar os manifestantes anti-austeridade prometendo que 2018 seria o último ano de dificuldades económicas. “As pessoas têm de compreender que esta situação é extraordinária e que o país está a passar dificuldades. Mas acreditamos que 2018 será o último ano difícil para os tunisinos”, afirmou Chahed, citado pela Reuters.

Este agravamento de preços e a austeridade resultam do empréstimo concedido pelo Fundo Monetário Internacional à Tunísia, no valor de 2800 milhões de dólares (2350 milhões de euros), a troco de reformas económicas.

Para o líder da Frente Popular, no entanto, esta é uma oportunidade de trazer a luta para as ruas. “Vamos permanecer nas ruas e aumentar o ritmo dos protestos até que este Orçamento injusto seja abandonado”, prometeu Hammami.

A data do aniversário da queda do regime autocrático de Zine El-Abidine Ben AliBen Ali - 14 de Janeiro de 2011, nos protestos que deram origem às Primaveras Árabes - aproxima-se, e nos últimos anos tem havido manifestações contra a precaridade económica e social nesta altura do ano.

Porém, estes protestos não estão a ter a dimensão das manifestações pró-democracia de 2011.

“O que aconteceu esta noite não teve nada a ver com protestos por causa da democracia. Queimaram duas esquadras, pilharam lojas e bancos e danificaram edifícios em muitas cidades”, disse o porta-voz do Ministério do Interior, Khelifa Chibani. Adiantou que foram detidas 44 pessoas por possuirem facas, atearem fogos e pilharem lojas. Há sempre o perigo de os protestos serem aproveitados para cometer atentados - a Tunísia é a origem de muitos soldados do grupo jihadista Daesh.

Analistas ouvidos pela Reuters dizem que o primeiro-ministro poderia alterar algumas das reformas para acalmar as tensões sociais. Foi já obrigado a aumentar o salário da função pública sob pressão dos sindicatos, bem como a pôr de lado alguns despedimentos.