MP diz que não existe inquérito sobre os bilhetes de Centeno mas acompanha o caso

Ministro das Finanças pediu bilhetes ao Benfica e o Correio da Manhã noticiou que foi concedida isenção de IMI aos filhos do presidente do clube. Centeno diz que não há qualquer polémica.

Centeno diz que não existe qualquer polémica
Foto
Centeno diz que não existe qualquer polémica Miguel Manso

O Ministério Público afirmou nesta terça-feira que "até ao momento, não foi localizado qualquer inquérito" sobre uma possível relação entre a isenção de pagamento de IMI atribuída a um imóvel da família do presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, e a cedência de bilhetes ao ministro Mário Centeno para ver o clássico entre o Benfica e o FC Porto. No entanto, em resposta ao PÚBLICO, o Ministério Público adiantou que está a analisar se há ou não matéria que justifique a abertura de uma investigação.

Na resposta, o Ministério Público indica que se encontra "a acompanhar a situação com vista a decidir se há, ou não, qualquer procedimento a desencadear no âmbito das respectivas competências".

O pedido de bilhetes foi feito em Março de 2017 por André Costa Monteiro, assessor diplomático de Centeno, já depois de publicado o código de conduta do Governo (criado na sequência do chamado “Galpgate”, viagens pagas pela Galp a membros do executivo), que estabelece que os governantes não podem aceitar ofertas acima dos 150 euros.

O Ministério das Finanças confirmou esta segunda-feira o pedido dos bilhetes, mas garante que, dada a “notoriedade pública do ministro”, há uma série de “exigências à sua participação em eventos públicos como jogos de futebol no que concerne a garantir a sua segurança pessoal”, esclarecendo ainda que os acessos à tribuna presidencial não são comercializáveis, “pelo que não têm um preço de venda definido”.

O Governo disse ainda que a isenção de IMI atribuída a familiares do presidente do Benfica é uma decisão que cabe às autarquias e não ao Ministério das Finanças, negando qualquer intervenção no processo.

Também esta segunda-feira, Mário Centeno insistiu que foram apenas razões de segurança, "determinantes nas nossas tomadas de posições", que motivaram o seu pedido e acrescentou que vê jogos do Benfica há 45 anos e não espera "deixar de os ver nos próximos tempos".