Morreu Ray Thomas, um dos fundadores dos Moody Blues

O músico tinha 76 anos. Em 2013, revelara que sofria de cancro na próstata.

Ray Thomas, em 2001, numa actuação em Las Vegas
Fotogaleria
Ray Thomas, em 2001, numa actuação em Las Vegas REUTERS/Ethan Miller/File Photo NARCH/NARCH30
Fotogaleria
Os Moody Blues em 1970: Ray Thomas é o segundo da direita DR

O músico e cantor Ray Thomas, um dos membros fundadores do grupo britânico Moody Blues, morreu na passada quinta-feira na sua casa no condado de Surrey, a Sul de Londres, aos 76 anos, mas o seu desaparecimento foi anunciado apenas no domingo à noite pela sua editora discográfica. De acordo com um comunicado da Cherry Red Records – Esoteric Recordings, o cantor e multi-instrumentista morreu com cancro na próstata, de que padecia desde 2013.

“Estamos profundamente chocados com a morte de Ray Thomas. O seu calor humano, o seu humor e a sua gentileza vão fazer-nos falta”, escreveu a editora no comunicado, acrescentando ter sido um privilégio conhecer e trabalhar com o músico.

Flautista, cantor e letrista, Ray Thomas conheceu a glória nos anos 60 e 70, depois de ter fundado em 1964 os Moody Blues com Mike Pinder, Denny Laine, Graeme Edge e Clint Warwick. A banda de rock sinfónico e progressivo iria marcar este género musical ao longo dessas duas décadas.

O músico também conheceu o sucesso com álbuns a solo, como os que gravou em meados da década de 70, num hiato da carreira dos Moody Blues, From Mighty Oaks (1975) e Hopes, Wishes, Dreams (1976).

Antes da formação desta banda, Ray Thomas, que nasceu numa família de ascendência galesa a 29 de Dezembro de 1941, em Stourport-on-Severn, passou pelo Birmingham Youth Choir e aventurou-se, com o seu amigo John Lodge, guitarrista, nos caminhos da soul e do blues criando grupos como The Saints and Sinners, The Ramblers e El Riot and the Rebels.

Reagindo ao desaparecimento do amigo, John Lodge escreveu no Twiter, no domingo: “Ray e eu fizemos juntos esta viagem mágica pela vida desde os nossos 14 anos, dois miúdos de Birmingham que alcançaram as estrelas... E fizemos isso juntos. ‘El Riot’, estarás sempre ao meu lado ".

N.º 1 no top britânico

Depois dessas aventuras ainda quase adolescentes, Ray Thomas mobilizou em 1964 outros quatro jovens músicos – o teclista Mike Pinder, o guitarrista Denny Laine, o baterista Graeme Edge e o baixista Clint Warwick – para a criação dos Moody Blues, que, no ano seguinte, apresentariam as suas credenciais com o hit Go now!, uma antecipação do som progressivo, que de seguida seria incluído no primeiro álbum da banda, The Magnificent Moodies. Neste disco, Thomas cantava a sua versão de uma das canções do clássico da ópera Porgy and Bess, de George e Ira Gershwin, It ain’t necessarily so.

Lançado sob a etiqueta Decca Records, Go now! valeria à nova banda o primeiro de vários números um no top britânico da música popular – algo que, nos Estados Unidos, só viria a conquistar em 1972, com o disco Seven Sojourn. Nesta altura, John Lodge já tinha também ingressado no grupo, na sequência da saída de Warwick, e também de Laine (substituído por Justin Hayward).

Já Ray Thomas manteve-se nos Moody Blues e protagonizou todos os seus álbuns – mais de duas dezenas, entre discos de estúdio, registos ao vivo e compilações, entre os quais os icónicos Days of Future Passed (1967), que inclui outro dos maiores hits da banda, Nights in white satin; A Question of Balance (1970); Every Good Boy Deserves Favour (1971); Octave (1978); ou Strange Times (1999) – até ao seu abandono em 2002. O último disco creditado aos Moody Blues seria December, lançado no ano imediatamente a seguir.

Já nessa altura, e para justificar a saída de Thomas, se falou de problemas de saúde. E em 2013 o próprio músico anunciava publicamente sofrer de cancro na próstata, sem hipótese de remoção. “O cancro está em remissão, mas terei de fazer tratamento o resto da minha vida”, escreveu no seu website.

A morte de Ray Thomas veio agora inviabilizar a inscrição dos Moody Blues, com a presença de todos os seus membros, no Rock and Roll Hall of Fame, que em Dezembro tinha sido anunciada para o corrente ano, com a banda britânica numa lista em que são também contemplados os grupos The Cars, Yes e Dire Straits, além de Nina Simone e Bon Jovi.

Com Lusa