Santana jogou ao ataque, Rio atacou no fim

Durante dez minutos, o debate que opôs Rui Rio e Pedro Santana Lopes parecia um combate de boxe. Santana dominou, mas no último minuto, quando o adversário já não podia responder, Rio também aplicou um golpe duro

Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso

Depois de uma campanha morna, o primeiro debate entre os dois candidatos à liderança do PSD teve momentos de um combate de boxe. Santana Lopes jogou ao ataque e desafiou Rui Rio a explicar as “trapalhadas” de que o acusou repetidamente, insinuou a deslealdade do adversário que foi seu vice-presidente no PSD e insistiu nas críticas que Rio e os seus apoiantes “maravilha” fizeram a Passos Coelho. Rio só conseguiu ser um pouco mais incisivo no final, no seu minuto e meio de tempo, quando se dirigia aos militantes: a experiência de governo de Santana Lopes “correu mal, muito mal”. Nas questões programáticas, os candidatos estiveram praticamente de acordo.

O tratamento por ‘tu’ deu à troca de palavras entre os dois sociais-democratas um tom ainda mais azedo. Depois da quase harmonia no tema do financiamento partidário — que domina a actualidade — Santana Lopes, desafiado pelo moderador a dizer o que o separa do adversário, desafiou Rio: “Que trapalhadas existiram, quando?”. A referência é o governo de 2004 que o então Presidente da República fez cair. Santana lembrou que Rio foi seu vice-presidente no partido (quando era líder e primeiro-ministro) e que nunca lhe disse nada “publicamente nem em privado”.

O ex-autarca do Porto tentou explicar que até apoiou a solução de ser Santana o sucessor de Durão Barroso, mas que as coisas se degradaram, tendo acabado mesmo assim por não sair. Rio usou a argumentação de que a escolha nestas directas é para primeiro-ministro e que a “experiência de Santana Lopes como primeiro-ministro correu manifestamente mal. Se for ele o candidato todas essas fragilidades voltam ao de cima”, disse, acrescentando que Jorge Sampaio “acabou por ter razão porque o PS teve a maior maioria absoluta”.

O ex-primeiro-ministro atacou fortemente. “Passas o tempo a dizer mal de mim. Na moção em todo o lado (…) Não tens praticamente uma palavra de crítica da frente de esquerda”. E citou uma carta assinada em conjunto por Rui Rio e António Costa (foto em baixo), então presidentes das câmaras do Porto e de Lisboa, respectivamente. Rio explicou que era uma carta no âmbito de um “relacionamento institucional” e que pedia aos respectivos líderes partidários uma alteração a uma lei. “Dupond e Dupont não somos nós os dois, és tu e o doutor António Costa”, atirou Santana.

Nesta fase, com Rio à defesa, Santana voltou a insistir que o ex-autarca do Porto foi para a Associação 25 de Abril criticar o governo de Passos Coelho e que se aliou a figuras como Pacheco Pereira, que faz parte de um grupo, como Morais Sarmento, e que depois “desaparecem”. O ex-autarca justificou a sua intervenção na Associação 25 de Abril: “Fui falar sobre o regime e não tinha nada a ver com a governação”. A participação de Pacheco Pereira numa iniciativa de esquerda na Aula Magna levou Rio a desmarcar-se — “não tenho culpa que ele tivesse lá ido” — e acabou por acusar Santana Lopes de querer fundar um partido, o partido liberal social. Era “um movimento”, contrapôs o ex-primeiro-ministro, lembrando que afinal o seu resultado nas urnas em 2005, depois do governo dissolvido, foi de 28,3% pouco menos que os 29,1% conseguidos em 2009 por Ferreira leite, a líder e actual apoiante de Rio, o “grupo maravilha”. Rio não se ficou: “Essa solução tirou a maioria absoluta a Sócrates e tu deste a maioria absoluta ao PS”.

As alianças com o PS e o CDS viriam a lume já no final do debate. Santana reiterou a recusa em coligações com os socialistas. Já Rui Rio admitiu uma aliança de Governo em casos excepcionais. “Pode haver situações extraordinárias em que não se possa dizer ‘jamais’ como dizia o ministro Mário Lino [do PS]”, afirmou, apontando um exemplo relacionado com uma imposição da troika aos partidos: “Imagine que em 2011 [a troika dizia] assinam aqui os três — CDS, PSD e PS — o acordozinho. E agora vão para lá [para o Governo]. Se eu estivesse amarrado lá atrás a dizer não e não, como é que fazia?” Relativamente ao CDS, Rio não excluiu uma coligação pré-eleitoral mas considerou “pouco provável”.

O debate arrancou pela questão do financiamento partidário. Os dois concordaram na falta de transparência do processo legislativo. Santana Lopes mostrou-se contra a ideia de os partidos terem um regime fiscal mais favorável. Já Rui Rio avançou com a proposta de um orçamento dos partidos “com base zero”.

Na área da economia, os dois candidatos também registaram convergência. Crescimento económico é preciso, sim, acarinhar a poupança também. E é preciso atrair investimento das empresas e para isso baixar o IRC. No papel do Estado também não se evidenciaram clivagens. Rio defendeu a “descentralização e a desconcentração de serviços”, Santana lembrou que deslocalizou alguns quando era primeiro-ministro. Falou do Estado “abusador” e que falhou na protecção civil ou que “rebenta pelas costuras na saúde”. O tema da regionalização esteve ausente.

Relativamente ao papel da justiça, Rio e Santana concordaram na ideia de que não faz sentido julgamentos na praça pública. Mas o ex-autarca do Porto foi muito mais duro no balanço da Procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal, enquanto Santana elogiou a “coragem” do Ministério Público para enfrentar os “poderosos”, seja “quem forem”.

No remate final, numa espécie de mini-tempo de antena, Rio e Santana transpiraram estilos diferentes. Rio apelou à razão — “escolham quem tem melhores condições para ser primeiro-ministro” — Santana ao coração: “Vamos novamente encher a Alameda”.