Professores açorianos iniciam greve de três dias

Avelino Meneses acusou o sindicato de fazer um "prolongamento de férias", declarações que os professores acham "inaceitáveis".

A paragem dura até sexta-feira
Foto
A paragem dura até sexta-feira NFACTOS / FERNANDO VELUDO

O Sindicato Democrático dos Professores dos Açores (SDPA) inicia esta quarta-feira uma greve de três dias para pedir ao Governo regional o descongelamento "sem constrangimentos" das carreiras ou a "validação da totalidade de tempo de serviço congelado".

A paragem vai durar até sexta-feira, o que motivou o secretário regional da Educação e Cultura, Avelino Meneses, a declarar na semana passada que o sindicato confundiu uma greve com um "prolongamento de férias", mesmo reconhecendo que a greve é um "direito inalienável de todos os trabalhadores".

Na resposta, o presidente do SDPA, José Pedro Gaspar acusou o executivo regional de "prolongar a austeridade" para o sector, ao mesmo tempo que "ataca" a imagem dos docentes com declarações "inaceitáveis".

"Aquilo que foi afirmado (...) é ofensivo para a classe docente, visa denegrir a imagem dos professores e educadores de infância que servem o sistema educativo regional, e isso para nós é absolutamente inaceitável", considerou José Pedro Gaspar.

O Governo dos Açores sublinhou já que, a partir deste ano, cerca de 2000 professores serão abrangidos nos Açores pelas progressões na carreira docente.

O Sindicato dos Professores da Região Açores (SPRA), outra força sindical da classe na região, não convocou greve para os dias em causa.