Directora-geral alerta para gripe, mas diz que país está preparado

Graça Freitas admitiu que possa haver nas próximas semanas "dias críticos", mas acrescentou que os serviços estão preparados.

PAULO PIMENTA
Foto
PAULO PIMENTA

Os casos de gripe estão a aumentar e as próximas semanas deverão ser "mais críticas", alertou nesta terça-feira a directora-geral da Saúde, Graça Freitas, assegurando que o país está preparado para a epidemia.

Em declarações à agência Lusa, a directora-geral admitiu que possa haver nas próximas semanas "dias críticos", mas acrescentou que os serviços estão preparados.

No dia em que iniciou formalmente funções como directora-geral, cargo que já desempenhava com estatuto interino, Graça Freitas falou à Lusa a propósito do surto de gripe no país afirmando que nos próximos dias há dois factores que podem aumentar o número de casos, o regresso às aulas, com as crianças a serem transmissor da doença, e a descida das temperaturas.

"O vírus dá-se bem com temperaturas baixas" e é por si só factor de fragilização, disse Graça Freitas, lembrando que em Portugal é usual atingir-se o pico da gripe em Janeiro e que há planos de contingência a nível dos centros da saúde, das regiões e dos centros hospitalares.

Graça Freitas adiantou que houve uma grande adesão dos portugueses à vacinação contra a gripe, tendo sido este Outono/Inverno aquele em que se vacinaram mais pessoas.

"Portugal tem vindo a convergir para altos níveis de vacinação", acentuou a directora-geral da Saúde, acrescentando que na União Europeia é dos países com mais pessoas vacinadas contra a gripe, a par do Reino Unido, Irlanda e Holanda.

Graça Freitas explicou que a vacina da gripe distribuída neste Inverno contém três tipos de vírus, dois do tipo A e um do tipo B, e que na doença deste ano circulam vírus do tipo A e B, sendo o A o mais perigoso.

Segundo a responsável, para o vírus do tipo A a eficácia da vacina é boa, "já não sendo tão boa para o tipo B".

Graça Freitas frisou, no entanto, que a vacinação é importante porque mesmo que o vírus não seja concordante as pessoas serão afectadas pela gripe de forma menos grave.

A nova directora-geral da Saúde, que já era subdirectora-geral desde 2005, assumiu interinamente o cargo após a saída de Francisco George em Outubro de 2017. Num despacho publicado em Diário da República na sexta-feira Graça Freitas foi designada pelo ministro da Saúde como directora-geral por um período de cinco anos, renovável por igual período.

Maria da Graça Gregório de Freitas é licenciada em medicina e tem a especialidade em saúde pública. Começou a exercer medicina faz nesta terça-feira precisamente 37 anos, como recordou à Lusa.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações