Morreu Carmen Franco, a filha do antigo ditador espanhol

Duquesa de Franco, título nobiliárquico que o rei Juan Carlos lhe atribui em 1975 em memória do pai, tinha 91 anos.

Foto
Carmen Franco em 1995, na missa do 20.º aniversário da morte do pai Desmond Boylan/Reuters

A filha única de Francisco Franco, o ditador que governou Espanha entre 1936 e 1975, morreu aos 91 anos, avança o El Mundo. Carmen Franco sabia desde Outubro que estava a morrer de cancro, segundo o mesmo jornal. Em Novembro, contava numa biografia autorizada estar "disposta a receber aquilo que está para vir: sem lágrimas". "Não tenho medo de nada, nem mesmo da morte. Vi-a muitas vezes e conheço-a perfeitamente."

Carmen Franco morreu em casa, o número oito da rua Hermanos Bécquer, em Madrid, um dos bairros mais caros da capital espanhola. Recusava hospitais por a recordarem dos últimos meses de vida do pai, conta o El Mundo. O general Francisco Franco morreu em 1975, depois de ter estado internado no hospital de La Paz em Madrid. "O meu pai queria morrer em casa", dizia. "Deviam deixar as pessoas morrer em paz", argumentou à data, quando o ditador espanhol foi transferido de casa e internado. Terá sempre culpado o seu marido, o marquês de Villaverde Cristóbal Martínez-Bordiú, pela decisão de "ter prolongado o inevitável" em relação à morte do pai.

"A menina queria um marido, a mamã queria um marquês, o marquês queria dinheiro, e estão contentes os três" — a frase corria em Madrid nos finais de Março de 1950, a poucos dias de Carmen, à data com 20 anos, casar com Cristóbal Martínez-Bordiú, lembram os jornais espanhóis como o La Vanguardia e El Español. Tiveram teve sete filhos: Carmen, Francis, Mariola, Merry, José Cristóbal, Jaime e Arancha. O casamento entre a filha do ditador e o cardiologista, que contou com mais de 800 convidados, foi por interesse, reconheceria mais tarde um dos seus filhos, José Cristóbal.

Carmen herdou o nome da mãe e cresceu moldada pelos desígnios fascistas do pai, com uma infância resguardada e austera, com o objectivo de liderar a propaganda do regime. A "Nenuca" — como era tratada pelo seu pai — dizia na sua biografia que “as mulheres não têm opinião”. Reconhecia que tinha sido criada como uma boneca de cristal, mas considerava que isso era o “normal” para os meados do século XX. Foi educada através de aulas privadas e foi longe da escola que aprendeu francês com a mademoiselle Labord, uma professora privada que Carmen via como uma irmã mais velha (e que foi despedida por haver suspeitas de que seria uma espia francesa).

No início a Guerra Civil, fugiu de Espanha com a mãe num navio alemão que as levou às Canárias e as deixou em França. Foi lá que foi à escola por um dia, num colégio interno. Diz que dormiu "com um olho aberto e outro fechado", com receio que alguém descobrisse que era filha de Franco. A mãe foi buscá-la no dia seguinte.

Carmen fez sempre tudo o que lhe mandaram e nunca questionava ou revoltava contra as indicações que lhe eram dadas. Chegou a apaixonar-se por um oficial da Marinha que conheceu em casa de uma tia, mas os pais não a deixaram prosseguir com a relação.

A matriarca, viúva desde 1998, é titular da maior parte das propriedades e dos negócios da família e alguns especialistas estimam que Carmen tinha uma fortuna superior a 500 milhões de euros, escreve o El País. Mas a filha de Franco negou sempre que possuía uma fortuna tão grande. Queixava-se ainda de que manter algumas das suas propriedades tinha custos muito elevados.

Um dos seus netos, Luis Alfonso de Barbón (filho de Carmen e Afonso de Bourbon — membro da família real espanhola), partilhou uma mensagem de despedida no Instagram. "Uma segunda mãe, um dos meus pilares" e uma "grande cristã", que gostava de "viajar e conhecer outros lugares". A filha de Franco é também recordada pelo neto como uma pessoa culta e informada, adepta da selecção espanhola e do Real Madrid.

Numa conversa agora recuperada pelo El Mundo, Carmen partilhou a relação que tinha com os netos. "Dou sempre o primeiro carro a todos os meus netos. Como não tenho muitas despesas e não faço muitas viagens gosto de estender a mão aos meus netos quando têm problemas." Na vida, "não fez outra coisa a não ser cuidar da casa e viver do seu negócio imobiliário", acrescenta o La Vanguardia.

Dizia que não queria ser julgada pela vida dos outros, quer pela vida dos seus pais, do seu marido ou dos seus filhos. "Sou a Carmen Franco e nada mais."