Os defensores do Tejo falam cada vez mais alto

Plataforma alberga 40 instituições e actua sem qualquer financiamento. Este ano, com os problemas do rio agravados devido à seca, os activistas ganharam visibilidade e força.

Fotogaleria
“Se somos chamados para uma iniciativa, um colóquio ou uma entrevista, quem vai paga do seu bolso a gasolina", exemplifica Paulo Constantino Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Fotogaleria

Já existe há sete anos, mas foi em 2017 que ganhou visibilidade. Por más razões. A seca e a consequente descida do caudal do Tejo trouxeram à vista de todos a poluição que é descarregada no rio. Em alguns troços, as águas ficaram pretas, cobertas de espuma e, em Outubro e Novembro, os peixes morreram aos milhares. Os membros do Movimento Pelo Tejo — proTejo tomaram a primeira linha de defesa do rio. Fizeram manifestações, denúncias, alertaram políticos e populações e passaram a ser uma voz frequente nos órgãos de comunicação social.

Estão ainda unidos aos que defendem o rio do lado espanhol, criando uma rede ibérica que “vigia e luta em defesa do Tejo e dos seus caudais” desde que ele nasce na serra de Albarracín, em Aragão, até que desagua no Atlântico logo que passa Lisboa.

Nos últimos dias, o nome da proTejo voltou à ribalta informativa devido ao processo judicial que a Celtejo, empresa de celulose de Vila Velha de Ródão, colocou ao secretário da mesa do conselho deliberativo da plataforma, Arlindo Marques, conhecido como o “guardião do Tejo”.

Este activista faz denúncias frequentes de focos de poluição do rio, alguns apontados à Celtejo. A empresa diz que o seu “bom-nome foi colocado em causa” e pede uma indemnização de 250 mil euros. A proTejo promete todo o apoio a Arlindo Marques e vai avançar com uma recolha de fundos para pagar as custas judiciais da defesa.

A proTejo não é uma associação individual de defesa ambiental, ou cívica. É uma plataforma-chapéu de 40 entidades, que reúne ecologistas, ambientalistas, movimentos sociais, desportivos e culturais, agentes de desenvolvimento regional, empresas e autarquias. O objectivo central é apenas um: o “desenvolvimento de acções de mobilização na defesa e promoção da bacia hidrográfica do Tejo (rio e o seus afluentes)”.

A plataforma tem outra característica que a diferencia de muitas outras: não tem qualquer tipo de financiamento, público ou privado, sendo as despesas assumidas por cada um dos membros ou pelas diversas instituições que a formam. Esta opção foi assumida desde a fundação deste movimento de cidadania sem personalidade jurídica, a 5 de Setembro de 2009. “Os financiamentos criam muitas complicações, até, por vezes, dependências e processos burocráticos complicados. Assim é tudo mais ágil”, diz Paulo Constantino, um dos dois porta-vozes da proTejo e o seu fundador.

“Se somos chamados para uma iniciativa, um colóquio ou uma entrevista, quem vai paga do seu bolso a gasolina, por exemplo. Se organizamos um debate ou uma sessão de esclarecimento, pedimos um espaço a uma das câmaras associadas. Se for uma manifestação, pedimos autocarros às autarquias para transportar as populações e cada associado leva a sua faixa ou cartaz”, explica o porta-voz.

O activista reconhece que 2017 foi o ano da grande projecção da plataforma. “Embora já tenhamos actividade há cerca de sete anos, este ano, infelizmente devido à desgraça em que está o Tejo, fomos mais chamados a intervir e a falar para os órgãos de comunicação social”, afirma. “Dantes as pessoas chamavam mais a associação A ou B, mas agora sabem que há uma plataforma que representa todos, que está activa, unida e faz um trabalho sério de defesa do rio.”

Esta maior visibilidade trouxe, porém, um problema: mais despesa para os seus membros. Um problema que tentam atenuar dividindo mais as tarefas de intervenção por mais elementos. “Como temos membros ao longo de todo o rio, quando somos chamados a algum lugar tentamos que vá o que está mais perto. Sempre dá para poupar um pouco.”

Estrutura ibérica

O interesse deste economista da Inspecção-Geral de Finanças, de 47 anos, natural de Vila Nova da Barquinha, começou no início de 2009. A dificuldade em bombear a água do Tejo para o canal do parque ribeirinho de Vila Nova da Barquinha devido ao escasso caudal do Tejo despertou-o.

Começou a participar em diversas iniciativas, foi conhecendo activistas portugueses e espanhóis, começou a “estudar o rio e os seus problemas”, enquanto ia “crescendo a ideia de criar uma plataforma que os unisse a todos”, como a que já existia em Espanha, em defesa dos rios Tejo e Alberche, cujos dirigentes conheceu numa das iniciativas em que esteve presente.

Depois de vários contactos, a proTejo nasceu em Setembro de 2009, logo com a adesão de 20 entidades, entre as quais oito câmaras municipais e a Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo. Hoje são 40 entidades. Logo a seguir, foram contactadas plataformas espanholas de defesa do Tejo e passou a integrar, juntamente com mais 47 instituições espanholas, a rede de Cidadania por uma Nova Cultura da Água do Tejo/Tajo e seus Afluentes.

Nem presidente, nem direcção

A proTejo não tem presidente nem direcção. Tem dois porta-vozes, Paulo Constantino e José Moura, eleitos pelos associados de dois em dois anos, que funcionam como uma espécie de coordenadores e de primeira linha de contacto. As decisões e a estratégia da plataforma são, porém, tomadas pelo colectivo das entidades que a formam, nas reuniões da Assembleia Deliberativa, que acontecem duas vezes por ano. Entre estes encontros realizam-se ainda reuniões de trabalho que podem ser propostas por qualquer um dos associados. “Só este ano, devido à crise que o rio viveu realizaram-se mais de dez reuniões de trabalho”, revela Paulo Constantino.

Ricardo Lopes
Ricardo Lopes
Ricardo Lopes
Ricardo Lopes
Ricardo Lopes
Ricardo Lopes
Ricardo Lopes
Ricardo Lopes
Ricardo Lopes
Ricardo Lopes
Ricardo Lopes
Ricardo Lopes
Ricardo Lopes
Ricardo Lopes
Ricardo Lopes
Ricardo Lopes
Ricardo Lopes
Fotogaleria

Para 2018, além de continuar a lutar contra a sobreexploração do Tejo e pela mobilização dos cidadãos para defesa do rio, a proTejo tem dois objectivos principais: a realização de uma conferência ibérica para debater o acordo luso-espanhol de gestão da água do rio (Convenção de Albufeira) e a sua revisão e a realização da 6.ª edição da Vogar Contra a Indiferença, um passeio pelo Tejo aberto a embarcações de “amigos do rio” de Portugal e Espanha.

Tudo tendo como lema uma canção de Jorge Palma que inspira a plataforma desde a sua fundação: “Enquanto houver estrada para andar, a gente vai continuar/Enquanto houver ventos e mar, a gente não vai parar.”